Acesso ao principal conteúdo
França

Homenagem às vítimas dos atentados de 13 de novembro em Paris

Edouard Philippe, primeiro ministro da França e Anne Hidalgo presidente da câmara de Paris, prestam homenagem a vítimas do 13 de novembro de 2015
Edouard Philippe, primeiro ministro da França e Anne Hidalgo presidente da câmara de Paris, prestam homenagem a vítimas do 13 de novembro de 2015 ©REUTERS/Benoit Tessier
Texto por: RFI
4 min

Um cortejo fúnebre percorreu os locais dos atentados de 13 de novembro de 2015, em Paris e arredores, nas cerimónias de homenagem nacional, aos 130 mortos e mais de 350 feridos pelo primeiro ministro, Édouard Philippe e a presidente da câmara municipal da capital francesa, Anne Hidalgo. 

Publicidade

Uma homenagem nacional foi hoje prestada pelo primeiro-ministro da França, Édouard Philippe, às vítimas dos atentados de 13 de novembro de 2015 em Paris e arredores.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, o ministro do Interior, Christophe Castaner e os Presidentes das câmaras municipais de Paris Anne Hidalgo e Londres, Sadiq Khan, assistiram a uma primeira cerimónia no estádio da França em S. Denis, onde morreram a primeira vítima dos atentados e os 3 primeiros jiadistas que detonaram os seus coletes de explosivos.

Um cortejo percorreu depois os locais de bairros de Paris, atingidos pelos atentados jiadistas nomeadamente a sala de concertos de Bataclan, onde 90 pessoas foram assassinadas.

Pela primeira vez, o presidente da República não assistiu às cerimónias. Em 2017, Emmanuel Macron, eleito meses antes e o seu predecessor, François Hollande, tinham prestado homenagem às vítimas dos atentados terroristas.

O dia de hoje termina com a entrega duma "medalha nacional de reconhecimento às vítimas do terrorismo", criada em julho de 2016, a feridos e familiares dos mortos de 13 de novembro de 2015, no palácio do governo francês.

De notar que familiares das vítimas aguardam agora que o processo seja julgado o que poderia acontecer em 2020, dos suspeitos que planearam os atentados, e do único jiadista do Estado islâmico, ainda vivo, Salah Abdeslam, actualmente, na prisão de Fleury-Mérogis, a sul de Paris.

3 anos após atentados de 13 de novembro de 2015 em Paris

   

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.