Afeganistão/ mortes

2010 foi o ano de mais mortes de civis no Afeganistão

Criança ferida após confronto entre aviões da OTAN e forças afegãs, que matou acidentalmente vários civis afegãos.
Criança ferida após confronto entre aviões da OTAN e forças afegãs, que matou acidentalmente vários civis afegãos. Reuters

Na capital afegã, Cabul, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou nesta quarta-feira um relatório afirmando que 2010 foi o ano em que houve mais mortos de civis no Afeganistão desde o início da intervenção estrangeira, há nove anos.

Publicidade

A grande maioria dos civis mortos no ano passado no Afeganistão (75%) foi vítima dos rebeldes talibãs ou de outros grupos fundamentalistas islâmicos, o que mostra que a insurreição continua ganhando terreno ao invés de recuar, como dizem os militares e os governos dos países que compõem a coalizão internacional da OTAN. Os dados da ONU revelam que os rebeldes organizam ações fora dos limites das zonas tribais de domínio tradicional dos radicais, como o sul e o leste do país, o que é mais um sinal de expansão da insurreição.
De acordo com o levantamento da ONU, dos 2.777 civis que perderam a vida no ano passado no Afeganistão, 16% foram mortos pelas forças internacionais e afegãs. A ONU não conseguiu, por outro lado, identificar os autores da morte violenta de 9% das vítimas. Os atentados suicidas e as bombas artesanais são os dois tipos de armas mais utilizadas pelos talibãs e mataram 1.141 civis, enquanto os bombardeios da OTAN e das forças afegãs provocaram a morte de 171 civis.
Os erros repetidos da OTAN, como a morte de nove crianças num ataque aéreo no início do mês na província de Kunar, embaraçam o governo americano e têm como efeito uma multiplicação das manifestações contra os ocupantes estrangeiros, principalmente os Estados Unidos. Mas o que a ONU alerta com este relatório é que, a poucos meses do início da retirada das tropas internacionais - que deve estar concluída até 2014 -, as forças afegãs vão assumir a segurança do Afeganistão com uma insurreição islâmica fortalecida.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI