Nuclear/França/Japão

Ministros franceses serão sabatinados sobre risco nuclear na França

Funcionários da central de Fukushima, 24/03/2011.
Funcionários da central de Fukushima, 24/03/2011. Reuters/Yomiuri Shimbun

Os ministros da Ecologia, Nathalie Kosciusko-Morizet, e da Indústria, Eric Besson, serão questionados pela Comissão de Desenvolvimento Sustentável da Assembléia Nacional, na próxima quarta feira. Eles vão falar sobre as consequências do acidente nuclear em Fukushima. No Japão, navios de carga podem estar evitando porto de Tóquio, por medo de contaminação. Alerta sobre radioatividade em água encanada na capital faz água mineral sumir de prateleiras.

Publicidade

A audiência dos ministros franceses será aberta à imprensa e transmitida ao vivo no site da assembleia, segundo uma fonte parlamentar. Nesta quinta-feira, o primeiro-ministro, François Fillon, ordenou à Autoridade de Segurança Nuclear a inspeção dos 58 reatores franceses. A França é o segundo país do mundo com o maior número de usinas nucleares, depois dos Estados Unidos. Os acidentes de Chernobyl e agora em Fukushima aumentaram o receio nuclear no país.

No Japão, autoridades do setor de transportes marítimos declararam nesta quinta-feira que navios de carga podem estar evitando o porto de Tóquio por medo de contaminação. Isso pode provocar graves problemas no abastecimento à medida que os navios forem desviados, implicando em grandes atrasos e congestionamentos nos terminais japoneses.

Quase duas semanas após o desastre, a terceira maior economia mundial enfrenta a ameaça de vazamentos de radiação, e os 13 milhões de habitantes de Tóquio foram orientados a não dar água de torneira a bebês. O alerta levou ao desaparecimento de garrafas de água mineral das prateleiras de supermercados e lojas de conveniência na capital.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI