Acesso ao principal conteúdo
OMS/Demência

A cada 4 segundos aparece um caso de demência no mundo, diz OMS

Cerca de 35,6 milhões de pessoas no mundo sofrem do Mal de Alzheimer.
Cerca de 35,6 milhões de pessoas no mundo sofrem do Mal de Alzheimer. Getty image/Don Bayley
3 min

Os casos de demência, uma síndrome provocada principalmente pelo Mal de Alzheimer, poderá dobrar até 2030 e mais que triplicar até 2050 e atingir 115,4 milhões de pessoas no mundo, de acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicado nesta quarta-feira.

Publicidade

Atualmente cerca de 35,6 milhões de pessoas no mundo sofrem de demência, uma síndrome provocada por diversas doenças do cérebro que afetam a memória, o raciocínio, o comportamento e a aptidão para realizar tarefas cotidianas.

A doença de Alzheimer é a causa mais comum da demência, podendo representar 70% dos casos. “Temos que agir, nós devemos parar com essa epidemia”, disse Marc Wortmann, diretor da ONG ADI (Alzheimer Desease International) durante uma entrevista coletiva, em Genebra.

De acordo com o relatório da OMS - o primeiro dedicado à demência -, um novo caso da doença é detectado no mundo a cada 4 segundos. Em 2050, a previsão é de um novo caso a cada segundo.

Estimativas dos especialistas indicam que os custos para tratamento da doença cehgam a 304 bilhões de dólares por ano atualmente. O valor leva em consideração os gastos com saúde e assistência social bem como a redução ou perda de salário dos doentes e dos profissionais da área.

Segundo o estudo, todos os países registram a doença mas a maior incidência, 58%, é nos países mais pobres ou em desenvolvimento.Esta proporção pode ser superior a 70% em 2050 diante do aumento da taxa de  envelhecimento da população de países como China, Índia e Brasil, afirmou o diretor do departamento de doença mental e abuso de substâncias psicoativas da OMS, Shekhar Saxena.

“É um grito de alerta”, disse Saxena alertando os países mais pobres para criar políticas nacionais para enfrentar a doença. No relatório, a OMS recomenda às autoridades sanitárias a adoção de programas focados principalmente para reduzir a estigmatização da doença e melhorar a qualidade dos tratamentos.

Outro aspecto importante apontado pela Organização Mundial da Saúde é criar condições para melhorar o diagnóstico da demência e a formação dos profissionais para identificar precocemente a doença. Nos países mais pobres e em desenvolvimento, normalmente os casos são abordados quando a demência já está em estado avançado.

Atualmente a demência não tem cura mas alguns tratamentos permitem retardar o avanço da doença.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.