Grécia/Crise

Grécia ganha mais dois anos para ajustar economia

A presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde e o presidente do grupo de ministros das Finanças da zona do euro, Jean-Claude Juncker.
A presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde e o presidente do grupo de ministros das Finanças da zona do euro, Jean-Claude Juncker. http://www.consilium.europa.eu

A troika de credores da Grécia -União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional- concordou em prorrogar por mais dois anos o prazo para o país realizar os ajustes exigidos em troca de socorro financeiro. Mas a parcela de ajuda de 31,5 bilhões de euros, que está retida desde junho, ainda não foi liberada.

Publicidade

Os credores internacionais da Grécia avaliaram que, apesar dos esfoços do governo grego e da aprovação de um orçamento rígido para 2013, o país ainda não poderá receber a ajuda de 31,5 bilhões de euros até que uma "análise de sustentabilidade da dívida" seja concluída.

Em 2013, a dívida pública da Grécia representará 190% do PIB. O objetivo da Comissão Europeia, do FMI e do Banco Central Europeu é que essa relação caia para 120%. Os credores internacionais, porém, ainda não concordam com o prazo para a redução do patamar da dívida. Para o FMI, essa meta tem que ser alcançada em 2020, mas os europeus defendem o prazo de 2022.

O assunto voltará a ser discutido em uma nova reunião dos ministros das Finanças da Zona do Euro que acontecerá na próxima semana.  "Estamos muito perto de um acordo e farei tudo para que uma boa decisão seja tomada no dia 20 de novembro", disse o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker.

O único consenso até o momento é o de que a Grécia precisará de mais dois anos para fazer todos os ajustes necessários para botar a economia nos trilhos. Mas os credores estão conscientes que, ao dar mais tempo à Grécia, o país poderá precisar de um financiamento extra de 32,6 bilhões de euros até 2015.

A curto prazo, Juncker, assegurou que a Grécia não terá problemas para honrar o pagamento de 5 bilhões de euros da dívida que vence nesta sexta-feira. Mas ele não quis revelar qual será o mecanismo adotado.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI