Disputa pelo controle da UMP virou suicídio político, diz Le Figaro

Jean-François Copé (à esq.) et François Fillon (à d.), e  Alain Juppé (no centro), em 3 de maio de 2012.
Jean-François Copé (à esq.) et François Fillon (à d.), e Alain Juppé (no centro), em 3 de maio de 2012. AFP PHOTO/JEAN PIERRE MULLLER

O fracasso da mediação do ex-primeiro ministro Alain Juppé para por um fim à crise no maior partido de direita da França é destaque nas manchetes dos principais jornais desta segunda-feira. O conservador Le Figaro faz um apelo para que os dois líderes que disputam a presidência da UMP parem com o verdadeiro massacre em que se tornou a briga pelo poder e aceitem a realização de uma nova eleição.

Publicidade

UMP: suícidio ao vivo, escreve o jornal em título para expressar a que ponto chegou a crise do partido. A ruptura entre Jean-François Copé e François Fillon foi consumada após Alain Juppé ter jogado a toalha diante da falta de um acordo entre os dois.

Em editorial, Le Figaro defende que a única solução para o partido não implodir é realizar novas eleições, com regras transparentes e sob a tutela de personalidades inquestionáveis.

Para o Libération, a perspectiva de um racha no partido ficou ainda mais evidente com a ameaça do ex-premiê Fillon de recorrer à justiça para contestar a vitória de seu adversário nas eleições internas para a presidência da UMP. Em um exercício de futurismo, o jornal prevê que desse campo de ruínas, todos sairão perdendo, inclusive o próprio partido que se diz da direita republicana.

O Aujourd'hui en France afirma em sua manchete que o ex-presidente Nicolas Sarkozy decidiu se envolver diretamente nesta guerra de caciques de sua família política. Nesta segunda-feira Sarkozy vai almoçar com François Fillon, seu ex-primeiro ministro, com um único objetivo, segundo o jornal, salvar a UMP.

Controle bancário

O jornal econômico Les Echos analisou o projeto de lei do governo sobre a reforma bancária na França que será submetido a um comitê consultativo. O texto sugere uma separação clara das atividades especulativas e de depósitos de um banco. Mas o que preocupa o setor é o reforço do poder de supervisão da Autoridade de controle, afirma o jornal.

Em entrevista ao Les Echos, o presidente da Federação de Bancos da França, Jean-Paul Chifflet, reclamou que o dispositivo destinado a regulamentar a falência bancária pode custar muito caro para os bancos do país.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI