Acesso ao principal conteúdo
EUA/Abismo Fiscal

Obama acusa republicanos de intransigência sobre abismo fiscal

O presidente americano, Barack Obama, em coletiva de imprensa na Casa Branca sobre o acordo contra o "abismo fiscal" na última sexta-feira.
O presidente americano, Barack Obama, em coletiva de imprensa na Casa Branca sobre o acordo contra o "abismo fiscal" na última sexta-feira. REUTERS/Jonathan Ernst
Texto por: RFI
3 min

A tensão foi constante durante este domingo em Washington diante do impasse para a conclusão de um acordo entre republicanos e democratas para evitar o "abismo fiscal" nos Estados Unidos.  Os dois partidos trocaram acusações mútuas pelas dificuldades no avanço das negociações. Se não for concluído um acordo, o país pode começar 2013 com a ameaça de uma recessão. 

Publicidade

O presidente americano Barack Obama responsabilizou os republicanos sobre a falta de acordo para evitar o temido “abismo fiscal” nos Estados Unidos. Em uma entrevista veiculada neste domingo pelo canal americano NBC, ele garantiu que a oposição não consegue aceitar a ideia que “os impostos dos americanos mais ricos devem aumentar um pouco”. Na emissão, Obama também fez um apelo para que o Congresso aja o mais rápido possível para proteger a classe média do país.

O Congresso do país tem até a terça-feira para evitar um aumento considerável dos impostos, além de cortes orçamentários que podem causar uma grave recessão no país. Líderes dos partidos democrata e republicano passaram todo o final se semana reunidos a fim de encontrar um consenso sobre o plano contra o “abismo fiscal”.

As lideranças voltam a se encontrar esta tarde às 13h (horário local) com previsão de uma votação às 18h30. De acordo com o jornal Washignton Post deste domingo, o chefe da maioria democrata no Senado, Harry Reid, e o dirigente da minoria republicana, Mitch McConnell, estipularam as 15h de hoje como a hora limite para encontrar um acordo.

No programa “Meet the Press”, Obama garantiu que se nenhuma solução for encontrada até o dia 1° de janeiro, ele irá propor um texto que estabeleça ao menos a redução dos impostos para a classe média americana.

Os mercados financeiros terão consequências “nefastas” se os Estados Unidos não conseguirem chegar a um acordo antes da próxima terça-feira para evitar o “abismo fiscal”, preveniu o presidente americano.

Entretanto, ele se diz esperançoso que o problema será resolvido nas próximas 48 horas. “Nós conseguiremos chegar lá. Democratas e republicanos dizem que as taxas da classe média não devem ser aumentadas. É algo sobre qual nós concordamos. Se nós aprovarmos esta decisão, ela atenuará os efeitos do ‘abismo fiscal’. Isso evitará as piores consequências”, disse.

“Se nós virmos que no dia 1° de janeiro o problema não tiver sido resolvido, que nós não conseguimos reduzir o déficit como nós poderíamos ter feito se os republicanos tivessem aceito o acordo que eu lhes propus, aí, evidentemente isso terá consequências nefastas sobre os mercados”, reiterou.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.