China

Mais de 13 mil porcos mortos são retirados de rio na China

Trabalhadores recolhem carcaças de animais às margens do rio Huangpu  em Xangai.
Trabalhadores recolhem carcaças de animais às margens do rio Huangpu em Xangai. REUTERS/Stringer/Files

Hoje, as autoridades sanitárias chinesas informaram que já são mais de 13 mil porcos encontrados mortos em um rio que atravessa Xangai. Há doze dias, os primeiros cadáveres de animais foram encontrados nas águas do Huangpu.

Publicidade

Há mais de uma semana, permanece na China o mistério sobre o aparecimento de porcos mortos no rio Huangpu que cruza Xangai, uma das mais importantes metrópoles chinesas. Até agora, não se sabe o ponto de origem do lançamento dos cadáveres nem a causa da matança dos animais.

O ministério da Agricultura da China anunciou o envio de uma equipe para recolher amostras de água e analisar o terreno. “Essa situação pode ser explicada pelo fato de que alguns agricultores não conhecem bem a lei, têm maus hábitos e desconhecem cuidados [básicos de higiene]”, relatou Yu Kangzhen, chefe de veterinária do ministério. Ele explicou ainda que, quando não são lançados no rio, os porcos mortos ou doentes acabam sendo vendidos para abatedouros. Na semana passada, 46 pessoas foram presas na província de Zhejiang acusadas de terem vendido carne em más condições sanitárias para açougues.

A Comissão de Agricultura de Xangai chegou a detectar na água do Huangpu a presença de um vírus suíno que é letal para os animais, mas não representa riscos para os humanos.  As autoridades de Xangai também acusam os pecuaristas de áreas vizinhas, especialmente Jiaxing, de jogarem os animais mortos no rio, mas ninguém assumiu a responsabilidade.

Enquanto não encontra os culpados, a prefeitura de Xangai se limita a uma operação de limpeza e mais de 200 barcos foram enviados para recolher os cadáveres. As embarcações também vão monitorar a atividade na fronteira com a província de Zhejiang onde está localizada a nascente do rio. A água do Huangpu, que é uma das principais fontes de abastecimento de água da região, continua considerada própria para o consumo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI