Acesso ao principal conteúdo
Chipre/crise

Centenas de empregados de bancos protestam no Chipre

Centenas de empregados de bancos cipriotas protestaram neste sábado em Nicósia e ameaçaram entrar em greve.
Centenas de empregados de bancos cipriotas protestaram neste sábado em Nicósia e ameaçaram entrar em greve. REUTERS/Yannis Behrakis
Texto por: RFI
3 min

Centenas de empregados de bancos cipriotas se manifestaram neste sábado na capital Nicósia contra uso de pensões para resgate bancário e ameaçaram entrar em greve caso as autoridades do país, engajadas em um corrida contra o relógio para salvar a ilha da falência, não garantam o seu futuro. O protesto foi organizado pela União Cipriota de Empregados de Bancos que deve organizar um novo evento neste domingo.

Publicidade

"Se vocês não protegerem nossos fundos de pensão, nós entraremos em greve a partir de terça-feira", ameaçou o presidente da organização, Loizos Hadgicostis. "Nós voltaremos a nos manifestar amanhã, diante do Parlamento e desta vez não seremos apenas nós, empregados de bancos, mas todos os cipriotas", completou.

"O que a troika [União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional] fez é horrível. É um complô, não somente para pegar nosso dinheiro, mas também nossos empregos. Nós somos contra este plano de reestruturação dos bancos", declarou Andreas, um participante de manifestação.

O governo cipriota deverá levantar sete bilhões de euros até segunda-feira, mais de um terço de seu PIB anual, a fim de desbloquear a ajuda internacional e garantir, da parte do Banco Central Europeu, a manutenção da linha de liquidez emergencial aos bancos cipriotas.

Em sessão extraordinária na sexta-feira à noite, o parlamento cipriota votou um conjunto de oito leis relativas ao plano de resgate a fim de evitar o colapso financeiro do país e garantir ajuda internacional. Amanhã, os ministros das Finaças da zona do euro se reúnem em Bruxelas para discutir o pacote.

Vários responsáveis próximos das negociações indicaram que o plano de reestruturação que concerne o Banco do Chipre e o Banco Popular (Banco Laiki, em grego) "devem desaparecer". Um novo banco deve ser criado com os ativos destes dois, segundo informou esta fonte.

O Laiki emprega mais de 8 mil pessoas, o que representa 1% da população do país que tem 840 mil habitantes, o que ilustra a desproporção do setor bancário na economia do Chipre que a União Europeia denuncia.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.