Itália/Crise

Acampados em Roma, manifestantes continuam a protestar contra austeridade

A polícia italiana teve um confronto neste sábado com um grupo de manifestantes, nas imediações do Ministério da Economia, em Roma.
A polícia italiana teve um confronto neste sábado com um grupo de manifestantes, nas imediações do Ministério da Economia, em Roma. REUTERS/Alessandro Bianchi

O plano de austeridade do primeiro-ministro italiano Enrico Letta desencadeou uma verdadeira onda de protestos em diversas cidades do país. O fim de semana foi marcado por protestos em Roma, marcados por destruição e confrontos com a polícia. Os manifestantes pretendem ficar acampados até terça-feira, quando encontrarão o ministro das Infraestruturas.

Publicidade

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

Os manifestantes escolheram um lugar simbólico para acampar em Roma: a Porta Pia, por onde passaram as tropas italianas em 1870, derrotando o Estado Pontificio, num episódio que marcou a história do país. Pode-se ler cartazes com frases como "Tomemos de volta a cidade".

Nas últimas duas noites, dezenas de pessoas dormiram em barracas, sem tumulto. Mas a capital ainda está contando os danos dos episódios de violência que aconteceram na grande manifestação de sábado passado, quando 70 mil pessoas marcharam pelas ruas do centro; mesmo se a maioria manteve uma postura pacífica, alguns participantes quebraram vitrines e se confrontaram com a polícia, num clima de guerrilha urbana. Segundo a Associação dos Comerciantes, o prejuízo foi de 2 milhões de euros, cerca de 6 milhões de reais.

Nesta segunda-feira, os próprios manifestantes decidiram remover as barracas para não piorar o trânsito da capital. Eles disseram que vão passar mais uma noite acampados até o encontro na manhã de terça-feira com o ministro das Infraestruturas, Maurizio Lupi.

A concentração reúne diversos grupos vindos de várias partes da Itália. Eles protestam contra o plano de austeridade do primeiro-ministro Enrico Letta, que dirige uma frágil coalizão de governo. O plano prevê aumento de impostos, o que pode agravar o desemprego no país, principalmente entre os jovens. Hoje, o índice de desemprego na Itália atinge o recorde de 40,1 por cento.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI