Acesso ao principal conteúdo
Nelson Mandela/África do Sul

Enterro de Mandela será fechado ao público e seguirá ritos tradicionais

Moradores do vilarejo de Qunu aguardam a chegada do corpo de Nelson Mandela.
Moradores do vilarejo de Qunu aguardam a chegada do corpo de Nelson Mandela. REUTERS/Kai Pfaffenbach
Texto por: RFI
3 min

O enterro será realizado de forma íntima e tradicional neste domingo. O avião que transporta o corpo de Nelson Mandela partiu na manhã deste sábado de Pretória para Qunu, vilarejo natal do ícone da luta contra o apartheid. Antes da decolagem, amigos do ex-presidente sul-africano, familiares e companheiros do seu partido ANC fizeram uma última homenagem solene.

Publicidade

Um avião militar foi o responsável por levar o caixão com o corpo de Nelson Mandela para a terra dos seus antepassados. Essa era um das últimas vontades do líder sul-africano que queria um enterro simples conforme os ritos da sua tribo.

Antes dessa última cerimônia, porém, seus amigos de luta política fizeram novas homenagens neste sábado. O atual presidente da África do Sul, Jacob Zuma, destacou em um discurso a imensa capacidade de Mandela de perdoar. “Precisamos de outros Madiba para que nosso país possa prosperar”, disse. “Sim, somos livres, mas o desafio da desigualdade continua. A pobreza e o desemprego persistem. Por isso, em memória de Madiba, temos que nos dedicar a fazer o que Madiba fez”, continuou Zuma.

Diante de grandes cartazes com fotos sorridentes de Mandela, alguns familiares também discursaram. Mandla, o neto mais velho, sublinhou a trajetória de luta do seu avô. “Nesses últimos dias, fiquei ao lado do corpo do meu avô. (...) Vi seu exército, seu povo, vi os sul-africanos comuns que percorreram com ele esse grande caminho para a liberdade”.

Entre quarta-feira e sexta-feira, mais de 100 mil africanos participaram do funeral público em Pretória e deram seu último a Mandela. Na terça-feira, uma cerimônia no estádio Soccer City em Soweto reuniu líderes mundiais. O presidente dos EUA, Barack Obama, discursou e saudou a memória desse “gigante da história”. A presidente Dilma Rousseff, também convidada para discursar, lembrou os laços que unem o povo africano ao Brasil e destacou o exemplo de Mandela para toda a América Latina.

Os ritos Xhosa

Na manhã de domingo, os cinco mil moradores de Qunu vão poder se despedir de Mandela com cânticos em uma cerimônia que será transmitida ao vivo para a televisão. Madiba passou os últimos anos da sua vida no vilarejo antes de ser transferido para Johanesburgo por causa de problemas de saúde.

O corpo de Mandela será enterrado conforme os ritos da etnia Xhosa da qual Mandela é originário. O sepultamento será fechado ao público e nenhuma imagem será divulgada. No ritual de adeus, os representantes mais velhos do clã Thembu farão discursos e sacrificarão um boi em homenagem aos antepassados. "O funeral é uma cerimônia complexa. Temos que entrar em contato com os nossos antepassados e assegurar o descanso do morto”, declarou Jonginyaniso Mtirara, chefe do clã de Mandela.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.