Acesso ao principal conteúdo
Imprensa

Autor do massacre da Tunísia tinha "perfil ideal" para se tornar extremista, diz vizinho

Polícia cerca museu do Bardo, em Túnis.
Polícia cerca museu do Bardo, em Túnis. REUTERS/Zoubeir Souissi
3 min

O perfil dos autores responsáveis pelo atentado contra o Museu do Bardo na Tunísia revela, mais uma vez, a fragilidade de muitos jovens ao aderir às ideias dos grupos radicais islâmicos. Esta é a conclusão do jornal Le Parisien desta sexta-feira (20) ao investigar a origem e o estilo de vida de Yassine Abidi, acusado de ser um dos responsáveis pelo massacre.

Publicidade

Os enviados especiais do jornal visitaram a casa onde vivia Yassine com seus familaires em um bairro modesto da capital, Túnis. Uma tenda branca foi montada em frente ao local para que a mãe do rapaz, em estado de choque, receba a solidariedade dos vizinhos.

Vizinhos de Yassine disseram ao jornal Le Parisien que ainda tem dificuldades em acreditar que o jovem discreto e com poucos amigos esteja implicado no ataque que matou 21 pessoas e feriu outras 44.

Outro acusado de promover o massacre é Hatem Kachanoui, também com pouco mais de 20 anos de idade. Ele é originário de Kasserine, uma cidade na região central da Tunísia e reduto de uma contestação contra o ex-ditador Ben Ali, em 2011.

O jornal lembra que os dois jovens foram apresentados pelo grupo Estado Islâmico como "dois cavaleiros do califado, Abou Zakaria al-Tounsi e Abou Ans al-Tounsi". Eles tinham armas automáticas e granadas e "semearam o terror no coração dos infieis na Tunísia muçulmana".

Perfil psicológico ideal para o jihadismo

Um dos vizinhos de Yassine Abidi contou ao Le Parisien que o jovem era religioso, mas sem ser radical. Ele trabalhava como motoboy e vivia com seus pais e irmãos. "Ninguém da família percebeu sua radicalização", afirmou Achraf Ayadi.

O vizinho revelou ainda que acompanhou todo o desenrolar do atentado pela televisão ao lado de um irmão de Yassine que defendia a morte dos jihadistas, sem imaginar que um deles era alguém de sua própria família.

Yassine não tinha uma personalidade forte e seu perfil era "ideal para se deixar seduzir por tudo o que circula na internet", disse Ayadi. Le Parisien lembra que os familiares de Yassine foram levados para a polícia para prestar depoimentos, assim como os parentes do outro jihadista, Hatem Kachanoui.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.