Acesso ao principal conteúdo
Oriente Médio/Fifa

Fifa: Blatter tenta arbitrar crise entre israelenses e palestinos

Sepp Blatter (à esq.) encontrou o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, e disse estar "em missão de paz".
Sepp Blatter (à esq.) encontrou o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, e disse estar "em missão de paz". Captura vídeo YouTube/IsraeliPM
2 min

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, está no Oriente Médio para tentar encontrar uma solução para a crise entre as federações de futebol israelense e palestina. O presidente da Fifa esteve em Israel na terça-feira (19) e hoje (20) vai à Cisjordânia. Ele propôs um "jogo da paz" entre as duas equipes nacionais. 

Publicidade

Sepp Blatter viajou para Israel e Cisjordânia para mediar um conflito que já pode ser definido como um verdadeiro "quebra-cabeça" para a Federação Internacional de Futebol.

A Palestina ameaça pedir a suspensão de Israel da Fifa, caso Israel não adote medidas como parar de restringir a circulação de jogadores palestinos, punir os clubes israelenses cujos torcedores adotam posturas racistas contra os jogadores árabes e suspender os clubes israelenses formados por colonos.

Na terça-feira, Blatter encontrou-se em Jerusalém com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. Sem dar detalhes, o premiê prometeu tomar providências, lembrando que o futebol não deveria ser politizado. Mas para a correspondente da RFI em Israel, Murielle Paradon, o futebol é necessariamente politizado, principalmente porque as restrições vividas pelos jogadores palestinos refletem o dia a dia da população palestina sob o jugo da ocupação israelense.

Nesta quarta-feira, Blatter está Ramallah, na Cisjordânia, onde se reúne com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.