Acesso ao principal conteúdo
Guiné

Presidente Condé adia legislativas e referendo para ficar no poder em Conacri após protestos

Presidente da Guiné Conacri, Alpha Condé, quer revisão da constituição para concorrer a 3° mandato
Presidente da Guiné Conacri, Alpha Condé, quer revisão da constituição para concorrer a 3° mandato ©FREDERICK FLORIN/AFP
Texto por: RFI
5 min

O Presidente da Guiné Conacri, Alpha Condé, foi forçado ontem à noite a anunciar o adiamento dos escrutínios previstos para amanhã, o referendo constitucional e eleições legislativas, devido a protestos da oposição e da comunidade internacional. O adiamento de duas semanas, já foi denunciado pela oposição guineense, que exige, uma anulação do referendo para rever a Constituição, um estratagema para um terceiro mandato de Alpha Condé, que com a idade de 82 anos deve demitir-se. 

Publicidade

A oposição na Guiné Conacri não se contenta com o adiamento feito pelo Presidente Alpha Condé do referendo constitucional e das eleições legislativas que estavam previstos para amanhã devido à contestação dos dois escrutínios.

"Tomámos conhecimento de que foram adiados o referendo e as legislativas. Felicitamos o povo guineense que combateu nobremente este golpe de Estado constitucional. No entanto, não estamos satisfeitos com o adiamento", declarou Ibrahima Diallo, um dos responsáveis da FNDC, colectivo de partidos e da sociedade civil que luta contra um eventual terceiro mandato do Presidente Condé.

"Nós vamos continuar a lutar até à retirada completa da revisão da nova Constituição. A luta continua até que Alpha Condé abandone o poder conforme reza a Constituição em vigor que limita o número de mandato presidencial a dois", acrescentou, Diallo.

Ontem à noite, o Presidente Condé, anunciou na rádio e televisão ter "aceito um adiamento, ligeiro, da data das eleições, o referendo e as legislativas".

Não há capitulação porque os escrutínios ocorrerão dentro de duas semanas diz Condé

"Não é nem uma capitulação nem uma debandada", sublinhou, Condé, garantindo, que "o povo da Guiné exprimirá  livremente a sua escolha através de um referendo e escolherá livremente os seus deputados". 

"Aceitamos o adiamento que deve ser de duas semanas", precisou o Presidente Condé, numa carta endereçada à CEDEAO, Comunidade económicas dos Estados da África do oeste.

Na carta, ainda se pode ler, que a Comissão eleitoral, "vai pedir ao Tribunal constitucional para marcar uma nova data nos limites do prazo indicado", ou seja de duas semanas. 

A CEDEAO, assim como a União europeia ou a Organização internacional da Francofonia, emitiram sérias dúvidas quanto à credibilidade dos escrutínios que estavam previstos para amanhã. 

Assim, a CEDEAO, anunciou que não enviaria observadores, para acompanhar as eleições, enquanto a União africana retirou a sua missão de observação eleitoral na Guiné Conacri.

Desde outubro que a oposição guineense organizou manifestações monstras em todo o país paralisando as principais cidades com graves consequências para a economia da Guiné Conacri, um dos países mais pobres do planeta.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.