Revista de Imprensa

Epidemia do coronavírus instala-se e medidas são reforçadas

Áudio 04:07
Primeiras páginas dos diários franceses de 23 de Março de 2020.
Primeiras páginas dos diários franceses de 23 de Março de 2020. © rfi

A epidemia do coronavírus com a contabilidade das vítimas no mundo continua a dominar as primeiras páginas da imprensa diária francesa. 

Publicidade

LE MONDE, titula, na sua edição impressa, Donald Trump, convertido em chefe de guerra contra o coronavírus. O mesmo vespertino retoma o tema online escrevendo que depois de Trump ter relativizado a importância da epidemia agora está omnipresente, uma reviravolta saudada nas sondagens.

Um presidente para tempo de guerra lidera a partir da Sala Oval da Casa Branca depois de ter demorado a reconhecer a gravidade da epidemia provocada pelo coronarvírus garantindo durante muito tempo que a doença desapareceria no mês de abril, pois tudo ficaria sob controlo, nota LE MONDE online.

Por seu lado LE FIGARO, afirma que o presidente americano mostra-se entusiasmado sobre os efeitos positivos possíveis da cloroquina, garantindo que o organismo de segurança alimentar e sanitária faz o impossível para dar sua luz verde.

Donald Trump, declarou numa conferência de imprensa que é um tratamento forte e poderoso em termos médicos dizendo estar muito entusiamado mas confiante e que veremos no futuro, nota LE FIGARO.

Na Alemanha a chanceler Angela Merkel decretou estado de confinamento e anunciou medidas restritivas para limitar contactos humanos, proíbindo ajuntamentos de mais de duas pessoas. 

LE PARISIEN AUJOURD'HUI EN FRANCE, titula, Bill Gates, a CIA, e Jacques Attali, tinham alertado para uma epidemia mundial. 

Bill Gates, em abril de 2015 ao fazer uma análise sobre a epidemia do Ébola que tinha sido uma catástrofe em África, alertou para uma epidemia do género nos próximos anos em todo o mundo. 

Por seu lado, o ensaísta francês, Jaques Atttali, previa o pior no futuro, na sua obra "A crise, e depois", consagrando duas páginas sobre a possibIlidade duma pandemia incontrolável. 

A CIA, advertiu 7 anos depois do 11 de setembro de 2001 para uma pandemia mundial. As conclusões do relatório de 2009 apontavam para o aparecimento de uma nova doença respiratória humana virulenta extremamente contagiosa para a qual não existia tratamento, acrescenta, LE FIGARO.

Ir mais longe no confinamento das pessoas

Por cá, em França, o governo prepara-se para prolongar o confinamento. Após 4 dias de debates a Assembleia nacional adoptou definitivamente esta madrugada o decreto que instaura imediatamente o estado de emergência sanitária que enquadra a restrição das liberdades públicas, nomeadamente, o confinamento,  nota, LE MONDE online. 

Por seu lado, LIBÉRATION, titula, ir mais longe no confinamento. Na primeira linha, a câmara municipal de Paris quer um endurecimento das medidas. Emmanuel Grégoire, Primeiro adjunto da presidente da câmara municipal de Paris, considera que temos que aplicar severamente o confinamento, tendo em conta que a capital regista um grande número de casos do coronavírus.

Os hospitais de Paris que estão superlotados lançaram um apelo a donativos enquanto a câmara municipal instalou uma célula de crise para garantir os serviços essenciais à capital, acrescenta LIBÉRATION.

Para  L'HUMANITÉ, com os plenos poderes ao executivo, os direitos sociais ficam ameaçados, denunciando o novo estado de emergência sanitária votado na Assembleia nacional.

Assim, o Partido comunista que não votou o decreto de emergência argumenta que os poderes dados ao governo são excessivos denunciando os ataques contra o Código do trabalho emplena epidemia.

O decreto foi adoptado esta madrugada por 510 votos a favor do partido maioritário presidencial, mas também da direita e da extrema direita, com os votos contra do partido socialista e do partido comunista, nota L'HUMANITÉ. 

LE FIGARO, titula, Ilha de França, hospitais assaltados em massa. O governo prepara-se para prolongar o confinamento da população para lá da data de fins de março para conter a epidemia do coronavírus. 

No seu editorial, Horas cinzentas, LE FIGARO, descreve um espectáculo insólito e simpático nas últimas 20 horas com os franceses empoleirados nas suas janelas e varandas par aplaudir e ovacionar o pessoal da saúde mobilizado há varias semanas para acompanhar os doentes do coronavírus. 

Sobre o continente africano, LE MONDE, escreve que o encerramento das fronteiras  provoca um clima de ansiedade sobre a penúria alimentar.

A África importa massivamente géneros alimentares e bens de consumo estando as autoridades de vários países africanos a adoptar medidas para desencorajar a especulação. O fecho das fronteiras em todo o mundo e em África para travar a difusão do Covid-19, suscita receios nas populações, nota, LE MONDE.

Revista de imprensa 23/03/2020

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI