Nuno Nabian: missão da CEDEAO "não é bem-vinda"

Bissau, Guiné-Bissau
Bissau, Guiné-Bissau © RFI

O governo investido pelo auto-proclamado Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló,  anunciou este domingo em comunicado que a missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) prevista para segunda-feira, 9 de Março, "não é bem-vinda". 

Publicidade

O comunicado é assinado pelo porta-voz governo investido pelo auto-proclamado Presidente da Guiné-Bissau no qual é revelado o descontentamento e denunciado aquilo que considera ser "a ingerência da CEDEAO". 

Em causa está uma carta que o representante especial da cedeao na Guiné-Bissau teria enviado ao primeiro-ministro Aristides Gomes para lhe dar conta da vinda de uma missão técnica da CEDEAO ao país.

No comunicado pode ler-se que as futuras missões da CEDEAO que venham ao país não devem integrar nenhum técnico da Costa do Marfim por considerarem que este país tem uma posição dúbia quanto à situação da Guiné-Bissau.

O documento aponta ainda que o mandato da missão da Ecomib, força de interposição da CEDEAO destacada no país, termina no final deste mês e que estão a ser tomadas "disposições" para que sejam acantonados, ficando os "órgãos de soberania a serem assegurados pelas forças de defesa e segurança" da Guiné-Bissau. O mesmo documento salienta, ainda, que a missão da CEDEAO prevista para esta segunda-feira "não é bem-vinda", contrariamente ao que tinha sido avançado, este sábado, por Nuno Nabian.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI