Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau/Covid-19

Guiné-Bissau: 50 pessoas infectadas pelo Covid-19

Preparação de testes para pessoas com sintomas de COVID-19
Preparação de testes para pessoas com sintomas de COVID-19 AFP/Archivos
Texto por: RFI | Mussá Baldé
2 min

Apesar do prolongamento do estado de emergência, aumentou para o 50 o número de pessoas infectadas com coroavírus na Guiné-Bissau, sendo os jovens a população mais atingida.

Publicidade

Das 50 pessoas infectadas pelo novo coronavírus na Guiné-Bissau, até esta sexta-feira, 17 de abril, cerca de 85% são indivíduos jovens, com idades compreendidas entre os 22 e 45 anos.

As autoridades sanitárias estão preocupadas, porquanto os jovens guineenses, pese embora o estado de emergência, prolongado até 26 de abril, continuam com as mesmas rotinas diárias.

Jovens sentados nas chamadas bancadas, largos de convívio nos bairros, jovens praticando desporto em grupo, jovens a deambularem dum lado para o outro, fugindo á polícia espalhada pelas ruas das cidades da Guiné-Bissau, quando a maioria da população está em confinada em casa.

Dois dirigentes das plataformas juvenis, Aissatu Djaló, do Conselho Nacional da Juventude e Saco Nhaga, da Rede Nacional das Associações Juvenis, disseram à RFI que os jovens têm tido comportamentos de risco, porque alguns “afirmam que a Covid-19 ainda não chegou à Guiné-Bissau", outros ainda continuam a acreditar que a "doença apenas apanha os velhos”.

Seco Nhaga, que é enfermeiro, pediu aos jovens para que assumam a sua responsabilidade e  instou as autoridades a tomarem “outras medidas”, se os jovens persistirem com “comportamentos errantes” o que disse pode colocar em risco a saúde pública dos guineenses.

Aissatu Djaló, que é médica, lembrou aos jovens, que o vírus não se movimenta sózinho e que a continuar com as aglomerações, os jovens serão os principais responsáveis pela propagação da doença na Guiné-Bissau.

Alguns guineenses recusam submeter-se aos testes

Tumane Baldé, porta-voz do Comité Operacional de Emergência de Saúde (COES), indicou que pelo menos 42 pessoas suspeitas de infecção em Bissau e Cachungo, se recusam a fazer os testes.

No decreto presidencial que regulamenta o prolongamento do estado de emergência no país até 26 de abril, as autoridades endureceram algumas medidas, nomeadamente considerar crime de desobediência nos termos da legislação penal aplicável a rejeição de submissão a teste de diagnóstico da pandemia de COVID-19.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 137 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 450 mil doentes foram considerados curados.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.