Acesso ao principal conteúdo
Guiné Bissau

Empresa de Electricidade e Águas da Guiné-Bissau está quase que falida

EAGB, empresa de Electricidade e Águas da Guiné-Bissau, praticamente falida
EAGB, empresa de Electricidade e Águas da Guiné-Bissau, praticamente falida © Mussá Baldé
Texto por: Mussá Baldé
4 min

 A EAGB, empresa de Electricidade e Águas da Guiné-Bissau passa por momentos complicados e o diretor já avisa que se medidas não forem tomadas a empresa poderá declarar falência. Atualmente, avisa o diretor, o passivo da empresa já vai em cerca de 30 milhões de dólares.  

Publicidade

A empresa de Electricidade e Águas da Guiné-Bissau está quase que falida.

Quem o diz é o próprio diretor-geral da empresa estatal.

Só para se ter uma ideia da situação da EAGB, o diretor Mamadu Baldé disse que a empresa tem um passivo de cerca de 30 milhões de dólares, entre dívidas aos fornecedores, aos bancos, salários em atraso e dívidas à Segurança Social.

Mamadu Baldé disse ser preciso “muita coragem” para tomar medidas, caso contrário avisa que a empresa corre riscos de ter que fechar as portas.

Uma das medidas tomar vai no sentido de acabar com o privilégio que vigorava até agora em que os cerca 1000 trabalhadores da empresa não pagam eletricidade e água.

O diretor geral da empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau também quer reverter o quadro em que naquela empresa os subsídios são superiores aos salários dos funcionários, também quer reduzir o número do pessoal que disse ser excessivo.

Para executar todas estas reformas Mamadu Baldé conta com o apoio do poder político e a compreensão dos trabalhadores.

De Bissau, o nosso correspondente, Mussá Baldé. 

Reportagem Mussa Baldé

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.