Acesso ao principal conteúdo

Suleimane Seidi esteve detido por 24 horas sem justificação

Suleimane Seidi após libertação.
Suleimane Seidi após libertação. © Mussá Baldé
Texto por: Mussá Baldé
4 min

Suleimane Seidi esteve detido por 24 horas na segunda esquadra de Bissau. O antigo secretário de Estado do Tesouro da Guiné-Bissau foi detido à porta de casa, em Bissau, e foi posto em liberdade sem qualquer justificação.

Publicidade

Na Guiné-Bissau, o antigo secretário de Estado do Tesouro, Suleimane Seidi, detido na quarta-feira pela polícia, foi ontem ao final do dia libertado.

Após intervenção da Liga Guineense dos Direitos Humanos, dos escritórios da ONU em Bissau e dos advogados, Seidi, antigo secretário de Estado do Tesouro, foi restituído à liberdade.

Ao sair da prisão, o antigo governante não prestou declarações.

Luís Vaz Martins, membro do colectivo de advogados que defendeu Suleimane Seidi, disse aos jornalistas que o processo terminou aí mesmo, porque o que a policia queria era recuperar uma viatura do Estado que o antigo governante entregou a um então membro do Governo, em 2018.

"Não há neste momento qualquer processo e estamos a tratar de uma diligência policial, que poderia ser tratado junto das autoridades competentes, concretamente o Ministério Público. Tudo indica que o Ministério Público queria resgatar a viatura e quem tem a viatura não se encontra na BG, acharam por mim, digamos assim, deter o nosso cliente no sentido de poder pressionar a entrega da viatura", descreveu Luís Vaz Martins.

Activo no processo que conduziu a soltura de Suleimane Seidi, o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto Mário da Silva pede a qualquer membro do anterior Governo que esteja na posse de alguma viatura do Estado que o devolva o quanto antes para evitar problemas com as novas autoridades.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.