Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Governo guineense permite a retoma do abate de árvores

Umaro Sissoco Embaló deve pronunciar-se sobre a questão da madeira.
Umaro Sissoco Embaló deve pronunciar-se sobre a questão da madeira. RFI/Miguel Martins
Texto por: Mussá Baldé
2 min

Governo guinenese autoriza a retoma, em regime especial, de abate de rvores no país.A palavra cabe ao Presidente Sissoco Embaló que tem em mãos uma proposta de lei nesse sentido 

Publicidade

Se o Presidente Umaro Sissoco Embal concordar, os madeireiros vão poder voltar a abater árvores na Guiné-Bissau.

O Governo já entregou ao Presidente uma proposta de lei nesse sentido.

O ministro da Agricultura, que tutela a Floresta, Abel Gomes, disse que algumas das espécies de árvores na floresta guineense vão poder ser abatidas para consumo interno, mas com regras.

Por exemplo, quem abater uma árvore deve, obrigatoriamente, replantar uma no seu lugar, a madeira deixará ser exportada em toro, pranchas e sachos, só sairá do país em viga, plaquetas e tábuas.

O Governo decidiu abrir um regime especial de abate de cinco anos para duas das 14 espécies de árvores madeireiras ameaçadas. O Pau Sangue e o Pau de Carvão, pela importância que representam na vida da população.

O Pau Sangue é utilizado na construção de móveis e o Pau Carvão na produção daquele combustível.

Desde 2015 que era proibido abater árvores de madeira na Guiné-Bissau. O Governo de então decidiu por uma moratória de cinco anos. O ministro Abel da Silva notou que o período da moratória terminou em abril e era preciso tomar medidas que o executivo actual tomou.

Dados do Governo, apontam que entre 2012 a 2015 foram dizimados mais de 900 mil metros cúbidos da floresta guineense. As ONG contestam esses números, dizendo ser muito mais.

Mussá Baldé, Bissau, RFI 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.