Guiné Bissau

Greve geral convocada pela maior central sindical, UNTG, na Guiné Bissau

Começou esta segunda-feira a greve geral convocada pela maior central sindical na Guiné Bissau
Começou esta segunda-feira a greve geral convocada pela maior central sindical na Guiné Bissau © AFP - EMILIE IOB

A Função Pública guineense observa a partir de hoje uma greve geral convocada pela maior central sindical, UNTG. A greve é a reivindicação por incumprimentos de acordos assinados com o Governo. 

Publicidade

Embora alguns serviços públicos estejam a funcionar, começou esta segunda-feira a greve geral convocada pela maior central sindical do país, a UNTG.

A greve deve ir até sexta-feira nesta primeira fase. No primeiro balanço, a UNTG diz que a paralisação atingiu 70% de adesão dos funcionários públicos.

Júlio Mendonça, o líder da UNTG considerou que a greve deve ir até ao fim e se for preciso avançar para novas paralisações, porque o Governo não dá sinais de querer negociar de forma séria.

De regresso ao país, depois de dois dias de visita de trabalho à Mauritânia, o presidente guineense, Sissoco Embalo disse que os sindicatos estão com a razão quando decidem fazer greve, se as coisas não estiveram a andar bem no país, conforme reza a Constituição.

 Mussá Baldé, correspondente, em Bissau.

Correspondência de Bissau, 9/11/2020

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI