Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau/Aristides Gomes/ONU

Guiné-Bissau: que destino para Aristides Gomes no fim da missão da UNIOGBIS ?

Aristides Gomes, antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, refugiado na sede da UNIOGBIS em Bissau desde março 2020, com futuro incerto no término da missão da ONU a 11 de dezembro.
Aristides Gomes, antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, refugiado na sede da UNIOGBIS em Bissau desde março 2020, com futuro incerto no término da missão da ONU a 11 de dezembro. Lusa
Texto por: Mussá Baldé
4 min

Na Guiné-Bissau o mandato da UNIOGBIS termina a 11 de dezembro, qual o destino do ex primeiro-ministro Aristides Gomes, que está refugiado na sua sede em Bissau desde março, depois de ter considerado ilegal a tomada de posse do Presidente Umaro Sissoco Embaló ? 

Publicidade

O mandato do Gabinete Integrado de Consolidação da Paz das Nações Unidas na Guiné-Bissau - UNIOGBIS -  termina a 11 de dezembro e o antigo primeiro-ministro Aristides Gomes está refugiado na sua sede em Bissau desde março, quando o seu governo foi demitido e ele se sentiu ameaçado, depois de considerar ilegal a tomada de posse do Presidente Umaro Sissoco Embaló a 27 de fevereiro de 2020, antes do veredicto do Supremo Tribunal de Justiça, que viria a rejeitar o recurso de Domingos Simões Pereira.

A questão em voga na Guiné-Bissau é saber qual o destino que será dado ao ex-primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes ? 

Suleimane Cassamá, membro do colectivo de advogados que defende Aristides Gomes, reconhece a preocupação, mas defende que mesmo com o encerramento da UNIOGBIS, a ONU continuará a ter na Guiné-Bissau uma representação permanente e é para lá que irá Aristides Gomes.

O advogado lembrou que a ida de Aristides Gomes para as instalações da UNIOGBIS foi uma estratégia concertada entre elementos da comunidade internacional e o próprio ex-primeiro-ministro.

Suleimane Cassamá afirma que a UNIOGBIS, que é uma estrutura da ONU, termina a sua missão na Guiné-Bissau, mas a responsabilidade pela integridade física de Aristides Gomes continua a pertencer a ONU.

"...a UNIOGBIS é uma estrutura das Nações Unidas, as Nações Unidas não vão de certeza fechar, então achamos que a responsabilidade se transfere para as Nações Unidas no momento do fecho da UNIOGBIS, as Nações Unidas continuarão a funcionar na Guiné-Bissau, pelo facto  achamos que Aristides Gomes vai ser transferido para a sede das Nações Unidas na Guiné-Bissau". 

O advogado Suleimane Cassamá defende que Aristides Gomes gostaria de estar num país estrangeiro e que ainda persistem ameaças à sua integridade, com o Procurador-Geral da República, Fernando Gomes, a exigir que ele seja entregue à justiça guineense.

Enquanto não for encontrada uma solução sobre a situação, Aristides Gomes vai continuar nas instalações da ONU em Bissau e a trabalhar regularmente, conforme disse o seu advogado Suleimane Cassamá.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.