Guiné-Bissau

Reunião da CEDEAO sem solução para a Guiné-Bissau

Cimeira da CEDEAO de 4 de Junho de 2016, em Dakar.
Cimeira da CEDEAO de 4 de Junho de 2016, em Dakar. SEYLLOU / AFP

A reunião da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), na Guiné-Conacri, não resolveu o impasse político na Guiné-Bissau. O mediador da CEDEAO, Alpha Condé, apresentou três nomes para chefiar o governo mas foram todos chumbados pelos dirigentes de Bissau.

Publicidade

O mediador da CEDEAO, Alpha Condé, apresentou três pontos para resolver o impasse político na Guiné-Bissau: a escolha da figura de um Primeiro-ministro de consenso, um governo inclusivo e a reintegração dos 15 deputados expulsos do PAIGC, mas o impasse está na figura que irá chefiar o governo. Alpha Condé sugeriu três nomes: João Aladje Fadia, actual director nacional do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), Augusto Olivais, antigo secretário nacional do PAIGC e Umaro Cissoko, desconhecido no meio político mas considerado o braço direito do Presidente José Mário Vaz. As partes rejeitaram categoricamente estas figuras.

Oiça aqui a reportagem de Aliu Candé, em serviço especial para a RFI.

Reportagem de Aliu Candé

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI