Guiné-Bissau

Guiné-Bissau não esquece a política no Natal

Vendedoras de fruta em Bissau. 14 de Abril de 2012.
Vendedoras de fruta em Bissau. 14 de Abril de 2012. SEYLLOU / AFP

Ainda que os funcionários públicos tenham recebido o ordenado e ainda que Bissau já não tenha a crise de energia elétrica como nos anos anteriores, a quadra festiva não deixa de ser vivida sob o signo de crise política. Todas as conversas dos guineenses acabam por desembocar na situação de impasse político que se regista no país.

Publicidade

Todos se questionam sobre qual a saída para a crise política e se 2017 trará melhorias já que cada vez mais os ânimos parecem mais exaltados entre os actores políticos.

Seja como for, as pessoas preparam o Natal. Bissau continua com a tradicional azáfama, com muita gente nas ruas e nos mercados para as compras dos produtos para a festa da consoada.

As lojas estão cheias de produtos importados de Portugal e do Brasil, produtos alimentares, mas também há brinquedos importados da China e do Líbano para animar a criançada. Os vendedores ambulantes também parecem aumentar de número por estes dias.

Por esta altura do ano, Bissau regista um fluxo anormal de pessoas que chegam do interior do país mas também da diáspora. Todos querem viver a quadra festiva do Natal e do Ano Novo com a família.

Ainda que se fale da política vive-se um ambiente festivo de comunhão entre os guineenses.

Para engalanar a quadra, o Palácio da República, aqui em Bissau, está ornamentado com árvores do Natal que piscam milhares de luzes, dando cor e brilho ao edifício.

Oiça aqui a reportagem de Mussá Baldé, correspondente em Bissau.

 

Natal em Bissau, Mussá Baldé

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI