Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Greve nos órgãos de comunicação social públicos

Imagem de Arquivo.
Imagem de Arquivo. SEYLLOU SEYLLOU / AFP
Texto por: Carina Branco
7 min

Na Guiné-Bissau, os órgãos públicos de comunicação social estão em greve desde esta segunda-feira e até esta quarta-feira. Os sindicatos falam numa adesão “a 99%” e acreditam que as suas reivindicações vão acabar por ser ouvidas pelo Governo.

Publicidade

PRIMEIRA PÁGINAOs jornalistas e técnicos da televisão pública da Guiné-Bissau, do jornal Nô Pintcha, da Agência Noticiosa da Guiné e da Radiodifusão Nacional estão em greve desde esta segunda-feira e até esta quarta-feira.

Os profissionais da comunicação social querem “aumentos salariais e melhoria das condições de trabalho”, de acordo com Julciano Baldé, vice-porta-voz da comissão negocial dos sindicatos dos órgãos de Comunicação Social públicos.

Reivindicamos aumentos salariais e melhoria de condições de trabalho. Acontece que o salário de um jornalista na Guiné-Bissau é péssimo. Aquele que ganha mais são 55.000 francos [cerca de 84 euros], mas os que não têm salário é pior”, referiu Julciano Baldé, sublinhando que nos órgãos públicos há “jornalistas que trabalham há mais de cinco anos sem salário”.

O porta-voz dos grevistas falou numa adesão à greve de 99%, algo que – na sua opinião - poderá ter impacto e fazer com que as reivindicações sejam ouvidas pelo Governo.

Durante a greve, não há serviços mínimos porque o Governo não retirou o dispositivo policial que colocou no centro emissor de Nhacra para “impedir os técnicos que lá estão de poderem desligar o aparelho”. Julciano Baldé explicou que o centro “faz ligação entre os noticiários que saem do interior de Bissau para o exterior do país, assim como notícias que vêm do exterior para Bissau”.

Julciano Baldé, vice-porta-voz da greve da comissão negocial dos sindicatos dos órgãos de comunicação social públicos

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.