Economias

A cidade da Beira, um ano depois do ciclone Idai

Áudio 17:46
Limpeza por populares na Cidade da Beira a 25 de Março de 2019
Limpeza por populares na Cidade da Beira a 25 de Março de 2019 RFI/Cristiana Soares

Faz este Sábado um ano que o ciclone Idai varreu o Zimbábue, o Maláui e Moçambique, mais especificamente a cidade da Beira, provocando mais de 600 mortos e milhares de desalojados naquela zona densamente povoada que é um dos pulmões económicos do país.

Publicidade

Um ano depois, "dezenas de milhares de pessoas continuam sem acesso adequado a abrigo e saneamento", refere em comunicado a Amnistia Internacional dando também conta de um "apoio financeiro desajustado" e de um "ritmo lento" da reconstrução.

Em Junho do ano passado, no âmbito da conferência de doadores da cidade da Beira, cerca de 3,2 mil milhões de dólares foram prometidos para a reconstrução das zonas afectadas. Contudo, até ao momento, só uma parte do valor foi disponibilizada.

Sobre os esforços da Beira para se reerguer, a RFI falou com Francisco Pereira, nomeado em Abril do ano passado para o cargo de Director-Executivo do Gabinete de Reconstrução pós-ciclone Idai, e falou igualmente com Jorge Fernandes, Presidente da Associação Comercial da Beira.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI