Acesso ao principal conteúdo
Moçambique/Brasil/Tráfico de Droga

Moçambique nega que "Tuta", procurado pela justiça brasileira, tenha trabalhado para o Estado

Logótipo do Primeiro Comando da Capital - PCC - o mais poderoso e criminoso gang do Brasil, que segundo o Ministério Público do Brasil, seria liderado pelo cidadão moçambicano Marcos Roberto de Almeida, conhecido por "Tuta" alvo de um mandado de prisão e em fuga.
Logótipo do Primeiro Comando da Capital - PCC - o mais poderoso e criminoso gang do Brasil, que segundo o Ministério Público do Brasil, seria liderado pelo cidadão moçambicano Marcos Roberto de Almeida, conhecido por "Tuta" alvo de um mandado de prisão e em fuga. © PCC
Texto por: Orfeu Lisboa | RFI
3 min

O Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique desmente informações segundo as quais o cidadão brasileiro Marcos Roberto de Almeida, conhecido por "Tuta", procurado pela justiça no Brasil, seja seu adido consular em Belo Horizonte no Brasil ou tenha jamais tido qualquer vínculo com o Estado moçambicano.

Publicidade

O Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique - MINEC - esclareceu que o Moçambique não possui consulados honorários, nem em Belo Horizonte, nem em qualquer outra parte do mundo.

Foi através da imprensa que o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, soube da existência de um cidadão brasileiro de nome Marcos Roberto de Almeida, conhecido pelo pseudónimo "Tuta", procurado pelo Ministério Público do Brasil, como líder do gang Primeiro Comando da Capital, o mais perigoso e criminoso no Brasil, a quem se atribui o cargo de adido consular de Moçambique em Belo Horizonte.

Em comunicado nesta quarta-feira, 16 de Setembro, o MINEC esclarece que Moçambique possui uma missão diplomática e consular em Brasilia, capital da República Federal do Brasil e não possui consulado honorário nem em Belo Horizonte, nem em nenhuma parte do mundo.

São por isso infundadas, pode ler-se no comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, as informações segundo as quais Marcos Roberto de Almeida procurado pela justiça brasileira, seja detentor de um passaporte diplomático moçambicano, pelo facto de nunca ter tido um vinculo directo ou indirecto deste cidadão com o Estado moçambicano.

Orfeu Lisboa, correspondente em Maputo 18/09/2020

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.