Direitos da Criança

130 raparigas por dia são forçadas a casar em Moçambique

Escola em Nacala, Moçambique. 4 de Julho de 2018.
Escola em Nacala, Moçambique. 4 de Julho de 2018. AFP - GIANLUIGI GUERCIA

Dois anos depois de o país ter aprovado uma lei contra as uniões prematuras, Moçambique continua a registar um elevado número deste tipo de casamentos.

Publicidade

Andrea Wojner, representante do Fundo das Nações Unidas para a População, FNUAP, revela os números da gravidade do problema no país . 

"Cada dia em Mocambique, o numero é de 130 raparigas que se casam o que corresponde a cinco a cada hora. Como podemos notar, estas cifras são mais que altas e por isso muito, muito preocupantes sobretudo num contexto em que temos uma lei em vigor para evitar este mal", disse Andrea Wojner.

A fraca divulgação desta lei o aprovada em 2019 está por detrás da prevalência do fenómeno considera a presidente da comissão dos Assuntos Sociais, Género, Tecnologia e Comunicação na Assembleia da República de Moçambique, Luísa Mafuiane.

"É preciso trabalhar em conjunto, é preciso uma planificação", disse a deputada.   

As autoridades governamentais moçambicanas reconhecem a existência do problema cuja avaliação foi feita num encontro em Maputo e que o mesmo está também aliado a pobreza e a praticas culturais nocivas ao crescimento e formação das raparigas. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI