Moçambique

55 mil deslocados de Cabo Delgado vão receber registos de nascimento

Mercado de Pemba, capital de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, em Maio de 2021.
Mercado de Pemba, capital de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, em Maio de 2021. © Liliana Henriques / RFI

O Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos de Moçambique vai atribuir o registo de nascimento a mais de 50 mil deslocados dos ataques terroristas na provincia de Cabo Delgado no extremo norte do país, anunciou o Governo. 

Publicidade

Os ataques terroristas que se registam na província de Cabo Delgado, em Moçambique, já provocaram acima de 800 mil deslocados em quase quatro anos de conflitos. 

São agora, na sua maioria, cidadãos indocumentados a quem o Governo, com o apoio dos seus parceiros, vai atribuir o registo de nascimento segundo explica a Ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos de Moçambique, Helena Kida. 

"Temos as campanhas a continuarem, vamos fazer mais agora, estão previstas mais 55 mil pessoas para serem registadas. Temos que fazer mais. E temos que fazer mais significa fazer o mapeamento para saber exactamente quantas pessoas são e onde é que estão para que nós, Ministério da Justiça, organizararmo-nos  melhor para fazer face da forma mais eficiente e mais eficaz", referiu a ministra Helena Kida.

A primeira fase do processo de registo de nascimento massivo iniciado no ano passado abrangeu 44 mil deslocados da violência extrema, na sua maioria dos distritos de Mocímboa da Praia, Macomia, Quissanga e Muidumbe em Cabo Delgado. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI