Covid-19

Moçambicanos rejeitam vacinação e recorrem a falsificações

Os passageiros ainda resistem à utilização de máscaras no centro de Moçambique, em Chimoio.
Os passageiros ainda resistem à utilização de máscaras no centro de Moçambique, em Chimoio. LUSA - ANDRÉ CATUEIRA

Há cidadãos em Moçambique que estão a rejeitar a vacinação contra a covid-19 e recorrem à falsificação e à compra de cartões que comprovam a sua imunização. 

Publicidade

A denúncia é do Presidente da República, Filipe Nyusi, que se mostra preocupado com a situação que põe em causa a saude publica no país. 

Numa altura em que a terceira vaga da covid-19 está a ser severa em Moçambique, o Presidente da República veio denunciar práticas que põe em causa os esforços de combate contra a pandemia. 

"Contrariamente aquilo que poderíamos esperar que as vacinas podiam ser vendidas, não sei se isso está à acontecer, mas agora as pessoas estão a comprar cartões de vacinação para dizer que se vacinaram. Não sei se estão a perspectivar que o próximo passo será a exigência de vacinas para alguns eventos mas isso é enganar -se, é totalmente comprar a morte", disse o Presidente.

Filipe Nyusi apela os cidadãos a aderirem à campanha de vacinação em massa contra a pandemia iniciada no dia 4 de Agosto. 

"As vacinas são uma ferramenta poderosa no controlo da pandemia porque oferecem protecção contra as formas mais graves da doença e previnem a mortalidade, mas também servem para mitigar o impacto negativo da pandemia nos sectores sócio-economicos", explicou o chefe de Estado.

Moçambique prevê vacinar 17 milhões de cidadãos até final do ano contra a covid-19.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI