Moçambique/Dívidas ocultas

Moçambique: “Poder judicial tem medo do poder político”, diz coordenador do FMO

Adriano Nuvunga, coordenador do Fórum de Monitoria e Orçamento de Moçambique.
Adriano Nuvunga, coordenador do Fórum de Monitoria e Orçamento de Moçambique. © Twitter

“O poder judicial tem medo do poder político em Moçambique”. Quem assim o diz é o director do Fórum de Monitoria e Orçamento de Moçambique que manifesta total desagrado pela forma como o julgamento do maior escândalo de corrupção está a ser conduzido. 

Publicidade

Adriano Nuvunga considera que, neste momento, os 19 réus em julgamento, a que chamou de bandidos, não são responsáveis pelo saque de 2.2 milhões de dólares dos cofres do estado a favor das empresas EMATUM, MAM e ProIndicus sem o conhecimento do parlamento.

O Coordenador do Fórum de Monitoria do Orçamento, FMO, acompanha com preocupação a audição dos 19 réus e a ausência de outros nomes, no julgamento do caso das dívidas ocultas, que lesaram o estado moçambicano em 2.2 mil milhões de dólares entre 2011 e 2013. 

À avaliação que faz é que o poder judicial tem medo do poder político. As pessoas que disseram para onde é que o dinheiro devia ir, o que se devia fazer, etc, são esses e quem tem que fazer isso é a Procuradoria-Geral da República mas como sabe acusou a estes em 2015 e estava a dar a ideia de que estes aqui é que têm que ser responsabilizados; não são estes não”, defende.

Adriano Nuvunga entende que a Procuradoria-Geral da República deve abrir processos concretos contra altas figuras do estado moçambicano que autorizaram as dívidas e que sabem onde está o dinheiro. 

Portanto, este grupo de bandidos que estão a ser julgados agora é importante isso ser feito, mas não estamos ainda a julgar o grande caso das dívidas ocultas”, disse ainda.

Para o maior caso de corrupção foram arrolados 19 arguidos e 70 decadentes entre estes, o antigo chefe de estado, Armando Guebuza que será ouvido no dia 2 de Dezembro. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI