Moçambique

Banco central de Moçambique combate crise económica

A sede do Banco de Moçambique
A sede do Banco de Moçambique http://noticias.mmo.co.mz

O Comité de Política Monetária do Banco de Moçambique anunciou, hoje, medidas para fazer face à situação económica que o país atravessa.

Publicidade

O Comité de Política Monetária do Banco de Moçambique anunciou, hoje, o aumento em 600 pontos base, com efeitos imediatos, nas taxas de juro das Facilidades Permanentes de Cedência de Liquidez (FPC) e de Depósitos (FPD) e prometeu ainda unificar os coeficientes de reservas obrigatórias para 15,5% para a componente em moeda nacional e moeda estrangeira, a partir do dia 22 de Novembro de 2016.

Com estas decisões, o Banco de Moçambique pretende alinhar as taxas de juro de referência às condições actuais do mercado, tornando-as positivas em termos reais e retirar o excesso de liquidez do sistema bancário.

Nos últimos meses, assistiu-se a uma rápida aceleração da inflação tendo esta superado as taxas de juro do Banco de Moçambique, que passaram a ser negativas em termos reais, cujo efeito sobre a intermediação financeira e estabilidade macroeconómica é mais pernicioso para economia, em particular para as camadas mais desfavorecidas, do que os eventuais impactos sobre o crescimento económico do país.

Em declarações recolhidas pelo nosso correspondente em Maputo, Orfeu Lisboa, o governador do Banco Central, Rogério Zandamenla, falou ao final da tarde numa conferência de imprensa na sede da instituição em Maputo apresentando as medidas para fazer face a actual crise económica em Moçambique.

Rogério Zandamenla, governador do Banco Central de Moçambique

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI