Moçambique

Impactos nefastos da corrupção em Moçambique

O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário.
O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário. REUTERS/Grant Lee Neuenburg

A corrupção em Moçambique tem impactos nefastos para a sociedade do país admitiu o primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário.

Publicidade

A corrupção é um fenómeno que está a ter um impacto negativo na sociedade moçambicana admitiu o primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário; "a corrupção compromete os esforços conducentes à melhoria das condições de vida da nossa população. Por isso, vivemos todos empenhados no reforço da integridade e transparência na actuação da função pública."

Só este ano, Moçambique registou pouco mais de 400 casos de corrupção. A directora do gabinete central de combate à corrupção, Ana Gemo, defende a necessidade de se adequar o código do processo penal em vigor desde a proclamação da independência em 1975.

"É um código de processo penal que não consagra um regime especial de recolha de prova para este tipo de criminalidade, o que constitui um grande constrangimento no contexto da investigação criminal", declarou a directora do gabinete central de combate à corrupção.

Em Moçambique, o Dia Mundial Contra a Corrupção está a ser assinalado sob o lema unidos contra a corrupção, paz e desenvolvimento como nos dá conta o nosso correspondente em Maputo, Orfeu Lisboa.

Correspondência de Moçambique

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI