Moçambique

Escoltas militares foram desactivadas em Moçambique

Estrada Nacional número 1 em Moçambique.
Estrada Nacional número 1 em Moçambique.

As escoltas militares obrigatórias a viaturas civis nas principais estradas do centro do país, visando proteger a população dos ataques atribuídos a homens armados da Renamo, foram abandonadas. Alías o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, na conferência de imprensa desta terça-feira 3 de Janeiro, afirmou que « já não há ataques ».

Publicidade

A polícia moçambicana anunciou a desactivação das escoltas militares nas principais vias rodoviárias que ligam as regiões centro e sul de Moçambique. Inácio Dina, Porta-voz da corporação, garantiu que a decisão surge do acordo de tréguas militares alcançado entre o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, e o chefe de Estado, Filipe Nyusi.

As escoltas militares foram reintroduzidas logo após as eleições gerais de 2014 para proteger as populações dos ataques da Renamo, que não reconheceu até aqui os resultados eleitorais, e garantir a circulação de pessoas e bens em segurança em alguns troços das províncias de Manica, Tete, Sofala e Zambézia no centro de Moçambique.

Mais pormenores com o nosso correspondente, Orfeu Lisboa.

Correspondência de Orfeu Lisboa

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI