MOÇAMBIQUE

Moçambique: contrabando de pedras preciosas lesa Estado em milhões

Extracção mineira é ganha pão para muitos em diversas latitudes africanas.
Extracção mineira é ganha pão para muitos em diversas latitudes africanas. AFP
Texto por: RFI
3 min

Em Moçambique o contrabando de pedras e metais preciosos continua a lesar o Estado em muitos milhões de dólares por ano.A preocupação foi manifestada, hoje, em Maputo, pelo Ministro dos Recursos Minerais e Energia, Max Tonela, na abertura do IV conselho coordenador do sector.

Publicidade

Max Tondela diz que o objetivo é ter "propostas de solução bem claras".

Segundo o ministro, a intenção é conseguir "estancar a sangria de recursos sem que o estado tire disso algum proveito em termos de receitas."

O Ministro moçambicano exige, por isso, uma maior vigilância para se travar o contrabando destes recursos no país.

Max Tondela explica que "o plano inclui a operacionalização da unidade de gestão do processo Kimberley de metais preciosos e gemas, a implantação de interpostos comerciais, unidades que, para além de assegurarem um processo de comercialização transparente, irão contribuir para combater e reduzir o comércio ilegal de diamantes, metais preciosos e gemas."

O IV conselho coordenador das pedras preciosas decorre durante, três dias, sob o lema “Recursos Minerais e Energéticos Impulsionando o desenvolvimento de Moçambique".

Confira aqui a reportagem do nosso correspondente Orfeu Lisboa em Maputo.

Correspondência de Orfeu Lisboa

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI