Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Moçambique: Paulo Zucula começou a ser julgado

Imagem de Arquivo.
Imagem de Arquivo. AFP PHOTO / FRANCK FIFE FRANCK FIFE / AFP
Texto por: RFI
4 min

O antigo ministro dos Transportes e Comunicações de Moçambique, Paulo Zucula, admitiu em tribunal que autorizou o pagamento de subsídios considerados indevidos, mas que “nunca quis violar a lei”. O julgamento começou esta quarta-feira. 

Publicidade

Paulo Zucula, que foi ministro entre 2008 e 2013, começou a ser julgado, esta quarta-feira, num processo em que é acusado de ter autorizado remunerações ilegais a dirigentes do Instituto de Aviação Civil de Moçambique (IACM), regulador da aviação civil do país.

Em tribunal, o antigo governante negou que tenha feito de forma consciente pagamentos indevidos. Zucula admitiu ter dado o aval a uma proposta de atribuição de alteração de subsídios já aprovada em 2009 pelo seu antecessor.

Questionado sobre ter avalizado o pagamento de subsídios sem consultar o ministro das Finanças, Paulo Zucula disse pensar que essa diligência seria feita pelo Conselho de Administração do IACM.

"Era prática que o requerente pedisse directamente as autorizações necessárias a todas as entidades competentes, o Conselho de Administração do IACM e o respectivo gabinete jurídico sabiam disso e tinham muito mais competência que o meu próprio gabinete jurídico", afirmou.

Paulo Zucula acrescentou que só teve conhecimento de que a sua actuação é ilegal em 2017, três anos após cessar funções, quando foi notificado para prestar depor no Gabinete Central de Combate à Corrupção.

"Nunca quis violar a lei, a minha intenção nunca foi impedir o cumprimento da lei", disse.

Três antigas responsáveis do INAC, também arguidas no processo, estiveram presentes na audiência: Teresa Jeremias, antiga administradora, Lucrécia Ndeve, antiga directora-geral, e Amélia Delane, chefe do Departamento Financeiro. Elas são acusadas de terem assinado cheques adiantando o pagamento de salários a seu favor, recebendo novamente ordenados correspondentes aos meses dos salários que já tinham auferido.

Os pagamentos indevidos totalizaram dois milhões de meticais (28 mil euros).

Teresa Jeremias é ainda acusada de ter efectuado pagamento de passagens aéreas a favor de membros da família, com recurso a fundos do Instituto Nacional de Aviação.

A sentença do caso está marcada para 25 de Março.

Paulo Zucula também é arguido num outro processo por alegado recebimento de subornos no valor de 800 mil dólares (686 mil euros) na compra de aviões da transportadora LAM à fabricante brasileira Embraer, entre 2008 e 2010.

Oiça aqui a reportagem de Orfeu Lisboa, correspondente em Maputo.

Reportagem de Orfeu Lisboa

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.