Japão

Terra treme de novo no sudoeste de Tóquio

As catástrofes provocaram cortes no fornecimento de energia elétrica, aqui as ruas de Tóquio estão quase no escuro.
As catástrofes provocaram cortes no fornecimento de energia elétrica, aqui as ruas de Tóquio estão quase no escuro. Reuters

Nesta terça-feira, um forte terremoto de magnitude 6,1 na escala Richter atingiu o sudoeste do arquipélago, onde diversos imóveis tremeram. Não houve vítimas.

Publicidade

Como já era esperado, um novo terremoto aconteceu a cerca de 120 km a sudoeste da capital. A região fica próxima ao Monte Fuji, onde os tremores foram sentidos com mais violência.

A Agência de Meteorologia japonesa informou que o epicentro do fenômeno estava a apenas 10 km de profundidade e o Instituto de Geofísica americano avaliou em 6,1 na escala Richter a força deste tremor.

Os dois reatores nucleares que se situam perto da região continuam a funcionar normalmente, segundo informou a companhia de eletricidade Chubu Electric Power.

Desde o dia 11 de março, quando registrou o maior terremoto de sua história (8,9 na escala Richter), seguido por um tsunami, o Japão está sofrendo uma série impressionante de terremotos, seguidos por numerosas réplicas.

Depoimento

Delmiro Malate, embaixador de Moçambique no Japão, sentiu o tremor de hoje enquanto concedia entrevista pelo telefone ao jornalista Miguel Martins, da RFI. "Ao despedir-me estou sentindo o abalo sísmico", relatou Malate, dizendo que as réplicas continuam mas que este novo tremor era bem forte. "Se calhar, pode ouvir minha casa a vibrar", disse o diplomata ao repórter. Ele também explicou que muitas pessoas deixaram Tóquio depois da explosão do terceiro reator de Fukushima 1, quando as radiações foram sentidas em leve intensidade.

Ouça entrevista do embaixador de Moçambique no Japão, Delmiro Malate

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI