GRÃ-BRETANHA/GRAMPOS

Ex-jornalista acusa direção de tabloide britânico de encobrir escutas

O ex-journalista Clive Goodman afirmou em carta que os grampos telefônicos eram debatidos nas reuniões de pauta do The News of the World.
O ex-journalista Clive Goodman afirmou em carta que os grampos telefônicos eram debatidos nas reuniões de pauta do The News of the World. Reuters/Alessia Pierdomenico
Texto por: RFI
2 min

Uma carta de um ex-jornalista provoca uma reviravolta no caso das escutas telefônicas clandestinas do tablóide britânico The News of the World. Clive Goodman, que fazia reportagens sobre a monarquia britânica, afirmou que os grampos não apenas eram conhecidos como discutidos abertamente na redação do jornal.

Publicidade

Em uma carta escrita quatro anos atrás, Clive Goodman revelou que os grampos telefônicos eram debatidos nas reuniões de pauta diárias do tablóide até que o editor-chefe, Andy Coulson, obrigou todos a ficarem em silêncio e não tocar mais no assunto.

Esse documento contradiz o editor-chefe que negou várias vezes que sabia das escutas e ainda cria novo embaraço para o primeiro-ministro David Cameron que contratou Andy Coulson para trabalhar como seu assessor. Demitido do jornal, mas com a promessa de ter seu emprego de volta se assumisse a culpa sozinho, Clive Goodman foi condenado em 2007, mas nunca recuperou o emprego.

A justiça britânica prendeu 11 pessoas no escândalo dos grampos telefônicos que obrigou o bilionário Rubert Murdoch a fechar o tablóide The News Of the World. A comissão encarregada de investigar as denúncias de escutas ilegais anunciou que deverá convocar novamente James Murdoch, filho do magnata e diretor do grupo News Corporation, para esclarecer possíveis contradições em seu depoimento.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI