Acesso ao principal conteúdo
Síria/ONU

Com Brasil a favor, ONU aprova resolução contra repressão na Síria

Assembleia Geral da ONU votando o projeto de resolução que condena a repressão na Síria.
Assembleia Geral da ONU votando o projeto de resolução que condena a repressão na Síria. Reuters/Andrew Kelly
Texto por: RFI
3 min

Depois do duplo veto da Rússia e China sobre um texto similar no Conselho de Segurança da ONU, no último dia 4, a Assembleia Geral aprovou nesta quinta-feira um projeto de resolução condenando a repressão na Síria por 137 votos a favor (entre eles, o do Brasil), 12 contra e 17 abstenções. O valor do texto é simbólico, mas expressa o sentimento da maioria dos países da Assembleia, diante das violências cometidas no país contra os opositores ao regime.

Publicidade

O texto apresentado aos países-membros da  Assembleia Geral das Nações Unida exige que o governo sírio pare de atacar sua população civil. A ONU estima que mais de seis mil pessoas morreram desde o início da rebelião, em meados de março do ano passado.

Um outro ponto da resolução é que a Síria apoie os esforços da Liga Árabe para garantir uma transição democrática no país; além disso, é recomendada a nomeação de um enviado especial da ONU à Síria.

Mesmo antes da votação, os diplomatas estavam certos de que a resolução seria adotada, devido ao grande número de países ocidentais e árabes que apoiavam o texto. No entanto, a iniciativa não terá nenhuma influência na crise atual devido à sua dimensão puramente simbólica.

Reações em defesa da Síria

O embaixador sírio junto à ONU, Bachar Jaafari, definiu a resolução como "tendenciosa e desequilibrada" e estima que a solução para a Síria está no diálogo nacional entre oposição e poder. Jaafari também pediu aos membros da Assembleia da ONU  para encorajarem a oposição a tomar parte nesse diálogo, distanciando-se dos "grupos terroristas", termo utilizado por Damasco para designar a oposição armada.

O embaixador da Venezuela, Jorge Valero, acusou os ocidentais de tentarem provocar uma mudança de regime na Síria, mesmo se cada vez mais sangue é derramado. Ele citou "a mesma prática utilizada na Líbia", referindo-se à intervenção da OTAN depois de uma resolução da ONU.

A Rússia, que até agora propôs algumas emendas ao texto, havia avisado que não apoiaria o projeto, que considera desequilibrado. China também votou contra, assim como Cuba, Irã, Equador, Bolívia e Coreia do Norte.

Mesmo simbólico, o texto não deixa de acentuar o isolamento do regime do presidente Bachar al-Assad.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.