Egito/Protesto

Irmandade Muçulmana cancela manifestação de apoio a Mursi

Manifestantes continuam mobilizados na praça Tahir.
Manifestantes continuam mobilizados na praça Tahir. REUTERS/Ahmed Jadallah

A Irmandade Muçulmana decidiu cancelar a manifestação de apoio ao presidente Mohamed Mursi convocada para essa terça-feira no Cairo. Os partidários do chefe de Estado preferiram adiar o evento para evitar confrontos com a oposição, que critica o líder egípcio após o anúncio do decreto que amplia seus poderes. Após negociação com Corte Suprema, Mursi aceitou atenuar o texto, mas mantém a cláusula que garante que suas decisões não podem ser contestadas.

Publicidade

O anúncio do cancelamento da passeata foi feito na noite dessa segunda-feira, poucas horas antes do evento. A Irmandade Muçulmana havia convocado os partidários do presidente Mohamed Mursi a manifestar seu apoio ao chefe de Estado, que enfrenta severas críticas desde o anúncio de um decreto que amplia seus poderes.

Segundo Ahmed al Subaya, porta-voz do Partido Liberdade e Justiça (PLJ), braço político da Irmandade, a passeata foi cancelada para evitar confrontos com os opositores. Ele não informou se uma nova manifestação está prevista para os próximos dias.

Diante da revolta popular e da mobilização dos magistrados, que entraram em greve no fim de semana, o presidente iniciou um diálogo com representantes da Corte Suprema nessa segunda-feira. No entanto, mesmo se o líder reafirmou que o texto é provisório e que está disposto a atenuar alguns aspectos do decreto, ele mantém a cláusula que impede qualquer contestação às suas decisões, um dos aspectos mais polêmicos da medida. 

Paralelamente, um tribunal administrativo do Cairo vai divulgar no dia 4 de dezembro um parecer sobre um recurso questionando a legalidade do texto, apresentado por militantes e advogados. O polêmico decreto estabelece que as decisões do presidente não poderão ser contestadas na justiça até a adoção de uma nova Constituição no Egito. Mursi, que já acumulava desde sua eleição os poderes executivo e legislativo, deixou os revolucionários egípcios indignados com essa nova manobra.

Rivais do chefe de Estado e militantes estão acampados na praça Tahrir desde a semana passada e exigem a revogação do texto. Segundo o ministério egípcio da Saúde, os protestos dos últimos dias já deixaram um morto e 444 feridos.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI