Iraque/Violência

Série de atentados contra xiitas deixa ao menos 31 mortos no Iraque

Em Kerbala, um carro-bomba explodiu enquanto fiéis xiitas passavam nas proximidades de uma das entradas da cidade nesta quinta-feira.
Em Kerbala, um carro-bomba explodiu enquanto fiéis xiitas passavam nas proximidades de uma das entradas da cidade nesta quinta-feira. REUTERS/Habib

Ao menos 31 pessoas, incluindo mulheres e crianças, foram mortas e uma centena feridas nesta quinta-feira em uma nova série de ataques contra a comunidade xiita no Iraque, segundo as autoridades.

Publicidade

Na cidade de Hilla, a 95 quilômetros ao sul de Bagdá, duas bombas explodiram na passagem de um grupo de pelegrinos xiitas, matando 26 pessoas e ferindo outras 85, de acordo com a polícia. Entre os 26 mortos estão duas mulheres, três crianças, dois médicos e um integrante da defesa civil.

As forças da segurança proibiram o acesso ao local do atentado e instalaram barreiras em toda a cidade a fim de revistar os carros. As lojas dos arredores fecharam suas portas.

Um pouco mais ao sul, na cidade santa xiita de Kerbala, um carro-bomba explodiu sob uma ponte matando cinco pessoas e ferindo outras treze, segundo um policial e um médico.

Um porta-voz da polícia indicou que as forças de segurança haviam fechado todas as estradas que levam à cidade antiga - onde está enterrado o imã Hussein, uma das figuras mais veneradas pelos xiitas - e estavam em busca de um segundo carro-bomba.

Trata-se da segunda série de ataques visando xiitas desde o início da semana. Na terça-feira, ao menos 12 pessoas morreram e 50 ficaram feridas em três atentados com carros-bomba perto de lugares de culto xiitas em Bagdá.

Esses atentados questionam mais uma vez a capacidade das forças de segurança iraquianas a garantir a estabilidade do país, que está se recuperando de um conflito religioso sangrento.

Os ataques desta quinta-feira não foram reivindicados, mas os combatentes sunitas do Estado islâmico no Iraque, um braço da rede terrorista Al-Qaeda no país, tentam frequentemente desestabilizar o governo do xiita Nouri al-Maliki por meio de atentados. A comunidade xiita é majoritária no Iraque.

A cada ano, milhões de xiitas fazem a peregrinação a Kerbala para a celebração que comemora o martírio do imã Hussein - neto do profeta Maomé, assassinado no ano 680 em Kerbala -, que atingiram seu ápice no dia 25 de novembro. Os pelegrinos continuam a visitar a cidade durante os 40 dias de luto que se sucedem a essa celebração.

Apesar de ter significativamente diminuído depois do conflito religioso de 2006 a 2008, a violência permanece quase diária no Iraque.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI