Acesso ao principal conteúdo
Egito/protestos

Mohammed Mursi volta ao palácio presidencial, protestos continuam

Milhares de pessoas convocadas pela oposição cercaram na noite desta terça-feira o Palácio Presidencial no Cairo para protestar contra o presidente do Egito.
Milhares de pessoas convocadas pela oposição cercaram na noite desta terça-feira o Palácio Presidencial no Cairo para protestar contra o presidente do Egito. REUTERS/Mohamed Abd El Ghany
Texto por: RFI
3 min

Centenas de manifestantes passaram a noite diante do palácio presidencial no Cairo para protestar contra as decisões de Mohamed Mursi, depois de violentos protestos –os piores desde a revolta que culminou na queda de Hosni Mubarak. O chefe de estado egípcio voltou nesta manhã ao local, depois de deixar o palácio.

Publicidade

Sob pressão , o chefe de estado egípcio foi obrigado a deixar o palácio presidencial nesta terça-feira à noite depois do cerco dos manifestantes , mas voltou nesta quarta-feira pela manhã. Alguns opositores ainda continuavam acampados no local, segundo as agências de notícias.

Logo depois de amanhecer, alguns vendedores ambulantes se instalaram em volta do palácio de Itihadya, no bairro de Héliopolis, onde os muros foram cobertos de pichações contra o presidente. Dezenas opositores de Mursi passaram a noite no local, exigindo que ele retirasse da agenda um polêmico decreto que lhe confere amplos poderes. Um fato que surpreendeu os jornalistas franceses presentes é que a própria polícia deixou passar os manifestantes, suspendendo a barreira de proteção, apesar de ter atirado bombas de gás lacrimogêneo para dispesar a multidão.

Praça Tahir volta a ser tomada pelos manifestantes

Os rebeldes também passaram a noite na praça Tahir, símbolo da Primavera Árabe. Os opositores lançaram um apelo nas redes sociais pedindo cobertores e comida para apoiar os participantes dos protestos, afirmando que não deixarão o local enquanto Mursi não cancelar o decreto. Na manhã desta quarta, a imprensa egípcia falava em uma nova revolução. "Aviso Final" foi o título do jornal Al Chouroug. Já o independente Al-Watan traz na Manchete "Revolução na porta do presidente."

As manifestações desta terça-feira são as mais importantes de uma série de mobilizações contra Mursi, o primeiro presidente islâmico do pais. Os opositores também criticam a nova Constituição, aprovada na semana passada pela Assembleia Constituinte. O texto traz pontos polêmicos, como por exemplo a ausência de igualdade entre homens e mulheres.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.