Síria/Crise

Síria entrega plano de destruição de seu arsenal químico à OIAC

Síria entrega plano de destruição de seu arsenal químico à OIAC, segundo anúncio da organização com sede na Holanda.
Síria entrega plano de destruição de seu arsenal químico à OIAC, segundo anúncio da organização com sede na Holanda.

Segundo um anúncio feito pela Organização para Proibição de Armas Químicas (OIAC) feito neste domingo, a Síria entregou no prazo previsto um documento detalhando seu programa de armamento químico e um plano de destruição do arsenal existente.

Publicidade

A medida estava prevista no acordo feito no último mês entre os Estados Unidos e a Rússia, em Genebra. O governo sírio deve destruir ou tornar inutilizável todos os agentes de produção química e de fabricação de armas do qual dispõe. Já seu estoque de armas químicas será destruído até a metade de 2014.

Especialistas da OIAC foram enviados ao país pela ONU para supervisionar essa destruição. A instituição, que recebeu o prêmio Nobel da Paz no último dia 11 de outubro, não revelou a composição do arsenal sírio, estimado em mil toneladas de diferentes agentes químicos.

Na segunda-feira, o emissário da ONU para a Síria, Lakhdar Brahimi, segue para Damasco, como parte de sua turnê regional para organizar uma nova conferência internacional para a paz no país, que vem sendo batizada de Genebra II. Brahimi foi recebido neste domingo pelo presidente iraniano, Hassan Rohani, e na quinta-feira encontrou na Turquia o chefe do Exército Livre Sírio, principal formação da oposição. O diplomata esteve recentemente na Jordânia, Iraque, Egito, Kuwait, Oman e Catar tentado convencer os líderes dos países vizinhos da necessidade de realizar uma conferência em busca de uma solução política para o conflito.

Importantes grupos rebeldes ameaçam de julgar "em seus tribunais" por "traição" todos os membros da oposição que decidirem participar da conferência prevista para novembro."Nós deixamos claro que a Conferência de Genebra II não é e e não será jamais a escolha do povo ou uma reivindicação de nossa revolução", anunciaram em um comunicado lido na noite deste sábado pelo chefe da brigada Souqour al-Cham, Ahmad Eissa al-Cheikh, e assinado por 19 grupos rebeldes islamitas sírios.

A oposição síria, dividida sobre a realização desse evento adiado diversas vezes, deve se reunir no dia 9 de novembro na Turquia. Ela quer garantias sobre a saída do presidente sírio, Bashar al-Assad, opção que vem sendo rejeitada pelo regime.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI