Síria/Diplomacia

Oposição e regime sírio se encontram pela primeira vez em Genebra neste sábado

O emissário internacional Lakhdar Brahimi conseguiu reunir a oposição e os representantes do regime sírio em um encontro previsto para a manhã deste sábado em Genebra.
O emissário internacional Lakhdar Brahimi conseguiu reunir a oposição e os representantes do regime sírio em um encontro previsto para a manhã deste sábado em Genebra. REUTERS/Jamal Saidi

Pela primeira vez em quase três anos de guerra civil, a delegação da oposição síria se encontrará com os membros do regime de Damasco neste sábado (25) em Genebra. O mediador internacional Lakhdar Brahimi disse que os representantes do governo aceitaram os princípios do acordo de transição política no país, mas que ainda há divergências.

Publicidade

O encontro entre os membros do governo e da oposição síria está previsto para as 10h em Genebra (7h no horário de Brasília), no escritório das Nações Unidas na cidade Suíça. De acordo com Anas al Abdeh, representante dos opositores, a reunião será breve e apenas o mediador internacional Lakhdar Brahimi deve se pronunciar. “Haverá uma outra sessão, mais longa, durante a tarde”, explicou.

A notícia já representa uma vitória de Brahimi, pois durante a manhã desta sexta-feira os membros do governo ameaçaram, diante do impasse, abandonar as discussões e deixar a Suíça no sábado. Porém, um pouco mais tarde o mediador anunciou que os representantes de Damasco haviam aceitado os princípios do acordo proposto em 2012 em Genebra - texto que prevê a criação de um governo de transição na Síria. No entanto, o diplomata ressaltou que ainda há divergências e que os participantes defendem “interpretações diferentes de certos elementos”. Um dos pontos sensíveis do documento é a saída do presidente Bashar Al-Assad do poder, uma exigência da oposição para iniciar os debates.

O ministro francês das Relações Exteriores, Laurent Fabius, se mostrou pessimista. Ele disse que esperar uma solução política imediata é “infelizmente irrealista”.

Porém, segundo fontes diplomáticas, as duas delegações concordaram em aspectos considerados urgentes, como discutir uma forma para que a ajuda humanitária chegue até Homs, no centro da Síria. A cidade é um dos bastiões dos rebeldes, que estão cercados pelas forças do governo. Brahimi também informou que as duas partes se mostraram dispostas a negociar a troca de prisioneiros e o possível cessar-fogo em algumas regiões do país.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI