Afeganistão/Violência

Atentado suicida deixa ao menos 41 mortos no Afeganistão

Um atentado suicida contra um mercado da província afegã de Paktika, no leste do país, deixou mais de 40 mortos nesta terça-feira (15).
Um atentado suicida contra um mercado da província afegã de Paktika, no leste do país, deixou mais de 40 mortos nesta terça-feira (15). REUTERS/Stringer

Ao menos 41 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas nesta terça-feira (15) em um atentado suicida contra uma feira na região leste do Afeganistão, perto da fronteira com o Paquistão. Na capital Cabul, a explosão de uma bomba artesanal matou duas pessoas e feriu outras cinco, todas funcionárias da presidência. 

Publicidade

Na manhã desta terça-feira, um kamikaze explodiu seu veículo perto de uma mesquita em um mercado do distrito de Urgun, na província de Paktika. As autoridades locais ainda não sabem qual era o alvo do atentado. Dezenas de comércios e residências dos arredores foram danificados pela forte explosão.

A presidência do Afeganistão informou que até o início da noite o saldo de mortos era de 41, incluindo seis crianças e o imã da mesquista local. Mais de 60 pessoas ficaram feridas, lotando os hospitais locais. Esse foi um dos atentados mais violentos cometidos no Afeganistão nos últimos anos.

"O presidente afegão condenou o ataque e acrescentou que esse ato cometido durante o ramadã (mês do jejum muçulmano) é imperdoável", comunicou o escritório de Hamid Karzaï. Outras fontes oficiais deram balanços diferentes, que vão até 89 mortos.

Atentado segue modelo dos talibãs

O atentado não foi reivindicado, mas segue o modelo dos ataques suicidas cometidos pelos rebeldes talibãs. Um dos principais redutos dos talibãs da rede Haqqani, a província afegã de Paktika se situa na fronteira das zonas tribais paquistanesas, onde o exército do Paquistão realiza há um mês uma ofensiva contra os rebeldes islâmicos.

De acordo com numerosos testemunhos locais, essa ofensiva, concentrada na zona tribal do Waziristão do Norte, levou certos combatentes islâmicos a atravessar a fronteira afegã.

Explosão em Kabul

A explosão de uma bomba artesanal durante a passagem de um veículo transportando funcionários da presidência deixou nesta terça-feira dois mortos e cinco feridos na periferia da capital Kabul. A polícia municipal informou que todas as vítimas trabalhavam no serviço de mídias da presidência.

Segundo a ONU, o número de vítimas civis do conflito afegão aumentou muito neste ano, um sinal inquietante da intensificação dos combates, a apenas seis meses da saída das forças da Otan.

A missão da Onu no Afeganistão (Unama) registrou uma alta de 24% no número de civis mortos ou feridos nos combates, por bombas artesanais ou atentados suicidas entre os dias 1° de janeiro e 30 de junho, em relação ao mesmo período em 2013. Nesses seis meses, 1.564 civis (+17%) morreram no conflito afegão.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI