Europa

Cerca de 21 mil novos migrantes chegaram à Grécia numa semana

Refugiados tentando chegar à ilha grega de Kos.
Refugiados tentando chegar à ilha grega de Kos. REUTERS/Alkis Konstantinidis

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados -ACNUR- anunciou hoje em Genebra que cerca de 20.843 migrantes chegaram à Grécia no espaço de apenas uma semana, entre os dias 8 e 14 de Agosto. Este número representa quase metade do total das 43.500 chegadas de migrantes àquele país em 2014.  

Publicidade

A grande maioria dos migrantes que foram acolhidos na semana passada na Grécia são sírios (82%), os afegãos representam 14% desse grupo e os restantes 3% de migrantes são oriundos do Iraque. De acordo com ACNUR, "a grande maioria destas pessoas deveriam receber o estatuto de refugiados", esta entidade tendo por outro lado tecido advertências sobre a necessidade de reforçar com urgência as estruturas de acolhimento nas ilhas bem como no resto do território da Grécia, este país tendo enfrentado um afluxo crescente de migrantes nas últimas semanas.

Apesar da Comissão Europeia ter aprovado no início deste mês um envelope de 2,4 mil milhões de euros sobre 6 anos para ajudar os países membros a acolher os migrantes, a Grécia tendo obtido 474 milhões de euros para este pelouro, para a Chanceler alemã Angela Merkel, a questão dos migrantes e refugiados poderia tornar-se para a Europa um problema mais grave do que a crise da dívida Grega. Na óptica da chefe do governo alemão, seria necessário modificar a Convenção de Dublin que regula o estatuto dos migrantes e refugiados no seio da União Europeia. Este texto estipula nomeadamente que a situação de um migrante deve ser gerida pelo país por onde entrou para chegar à Europa, mesmo que esse país não seja o destino final do migrante.

De acordo com estatísticas da Organização Internacional para as Migrações, desde o começo do ano, cerca de 250.000 pessoas atravessaram o Mediterrâneo em direcção à Europa e mais de 2000 desses refugiados morreram durante a viagem. A crise migratória vigente no mar Mediterrâneo tem vindo a agudizar-se. Ainda no passado fim de semana, as autoridades italianas recolheram as cerca de 300 pessoas que viajavam numa embarcação ao largo da Líbia onde foram igualmente encontrados os corpos de 49 pessoas que morreram asfixiadas, alegadamente vítimas da violência dos seus passadores. Na semana passada foi igualmente noticiada a alegada tentativa de afundamento de uma embarcação de migrantes por guardas costeiros gregos.

Em entrevista à RFI, José Fischel, conselheiro jurídico sénior do ACNUR em Paris, dá a sua análise da forma como a Europa tem lidado com esta situação, começando por falar do caso da Grécia.

José Fischel, conselheiro jurídico sénior do ACNUR em Paris

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI