Acesso ao principal conteúdo
TTIP

Greenpeace organiza fuga de informações sobre o TTIP

Protestos contra o TTIP em Berlim no dia 9 de outubro de 2015.
Protestos contra o TTIP em Berlim no dia 9 de outubro de 2015. MICHAEL KAPPELER / DPA / AFP
Texto por: RFI
3 min

Uma nova fuga de informações confidenciais sobre as negociações da parceria Transatlântica de Comércio e Investimento, conhecida por TTIP, relança o debate sobre o seu secretismo.

Publicidade

As negociações da parceria Transatlântica de Comércio e Investimento, que envolvem a Europa e os Estados Unidos, foram várias vezes acusadas de secretismo pela sociedade civil.

Uma recente fuga de informação, organizada pela ONG Greenpeace, permitiu esclarecer vários pontos do compromisso em curso mas também relançou o debate sobre a necessária transparência do processo.

O economista português Francisco Sarsfield Cabral reagiu a notícia para Rfi :"Como têm levantado muitas dúvidas, julgo que era preciso abrir um pouco esta camada de silêncio oficial e saber, de facto, o que se esta realmente a passar. Portanto, acho que é preciso abrir este segredo das negociações e é preciso que as autoridades europeias deem explicações sobre isso."

Os documentos divulgados ontem pela Greenpeace também revelam com clareza a posição dominante dos Estados Unidos nas negociações, onde os países europeus são obrigados a fazer muitas concessões para chegar ao mercado americano, pondo em risco certos padrões europeusem matéria de ambiente ou de segurança alimentar.

Na sexta passada, os negociadores do TTIP declaram em Nova York que as discussões já tinham avançado desde a produção dos documentos divulgados pela Greenpeace.

Confere aqui a entrevista dada a Rfi pelo economista Francisco Sarsflied Cabral.

Francisco Sarsfield Cabral

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.