Violência policial aumenta no Rio em vésperas de Olímpiadas

Polícia brasileira durante intervenção numa favela do Rio de Janeiro
Polícia brasileira durante intervenção numa favela do Rio de Janeiro REUTERS/Sergio Moraes

A um mês dos Jogos Olímpicos no Brasil, a Amnistia Internacional veio esta sexta-feira denunciar um aumento de pessoas mortas pela polícia no Rio de Janeiro.

Publicidade

Em vésperas de um dos maiores eventos desportivos mundiais, as Olimpíadas, a violência policial é alvo de críticas da Amnistia Internacional para quem os direitos humanos, e particularmente o direito à vida, estão a ser desrespeitados.

De acordo com o Instituto de Segurança Pública, só no Rio de Janeiro, 40 pessoas foram mortas em maio, pela polícia brasileira, um aumento de 135 % em comparação com o período homólogo.

Átila Roque, historiador e director-executivo da Amnistia Internacional no Brasil, considera que está a verificar-se um "agravamento de uma segurança pública militarizada provocando vítimas entre as populações mais pobres e negras da favela".

O dirigente da Amnistia Internacional Brasil, Átila Roque, lembrou à RFI que esta tendência violenta já vinha sendo denuncida há muito tempo.

Átila Roque, historiador e director-executivo da Amnistia Internacional no Brasil

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI