Acesso ao principal conteúdo
Política/Turquia

Turquia :após golpe fracassado receia-se purga

Um  tanque militar em  Istambul durante a tentativa de golpe de Estado. 16.07.2016
Um tanque militar em Istambul durante a tentativa de golpe de Estado. 16.07.2016 REUTERS/Baz Ratner
Texto por: RFI
5 min

A  tentativa de golpe fracassada  na Turquia confirma a tensão   latente  entre  sectores  das  forças  armadas  e  o poder político liderado  pelo  Presidente  Recep Tayyip Erdogan. O chefe de Estado  turco conseguiu neutralizar  a golpe que  resultou em pelo menos duas centenas de mortos graças nomeadamente  à  mobilização  popular através das redes sociais. No passado, Erdogan acusou as redes sociais de representarem uma ameaça à  estabilidade da Turquia. O Presidente turco que passava férias na estância balnear de Marmaris, prometeu punir severamente os militares golpistas.    

Publicidade

Após a fracassada tentativa de golpe militar contra o regime de Recep Tayyip Erdogan  que  resultou num  banho de  sangue e na danificação de  vários edifícios públicos, entre os quais, o  Parlamento em Ancara, o Chefe de  Estado turco recebeu o apoio dos seus  principais vizinhos e aliados  na  Europa  e Médio-Oriente. O Irão cujas  relações com a Turquia se caracterizam por  uma forte tensão devido ao conflito na Síria saudou  o restabelecimento do poder de Recep Tayyip Erdogan, afirmando   que  não há lugar para golpes de Estado no  Médio-Oriente.Por  intermédio  do eumir  Sheik Tamin  bin Hamad,  o Qatar realçou  o apoio dado  pelos  turcos  à Recep Tayyip Erdogan na sua luta  para  neutralizar o golpe de Estado.A Arábia Saudita através  do  Ministério  dos Negócios  Estrangeiros saudou também o retorno à normalidade da  vida  institucional na Turquia.

Recep Tayyip  Erdogan que já regressou  a  Ancara, bem como  o seu Primeiro-Ministro   Binali Yildirim  preveniram  que os militares golpistas e os seus apoiantes serão punidos severamente,  pelo  acto que ambos  qualificaram de traição. A chanceler da  Alemanha, Angela Merkel, cujo país tem relações estreitas com a  Turquia, condenou a  tentativa abortada de  golpe de Estado e lançou um apelo ao Presidente Erdogan para  que  os golpistas sejam julgados  no respeito das leis turcas.Segundo  Angela Merkel, "o respeito pelo direito de todos e a protecção das minorias são os fundamentos mais sólidos para a  manutenção da  democracia". A  semelhança da  chanceler Merkel,o Presidente dos Estados Unidos ,Barack Obama  exortou todos protagonistas da  vida política  turca  a  evitar  à  violência e o derramamento de sangue.  Algumas  capitais  ocidentais receiam que a punição dos militares golpistas desemboque numa purga sangrenta.  

O  Primeiro-Ministro da Turquia, Binali Yildirim, anunciou sábado que 161 pessoas, excluindo os golpistas, morreram no decurso da falhada tentativa de golpe de  Estado e 2.839  militares suspeitados de  envolvimento foram detidos.

De Ancara, José Pedro Tavares com mais pormenores sobre a abortada tentativa de golpe de Estado  na  Turquia.

Correspondência José Pedro Tavares.Ancara

                    

             

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.