Mundo

Cessar-fogo na Síria respeitado a 90%

KARAM AL-MASRI / AFP

O cessar-fogo na Síria resiste, mas não se sabe se por muito mais tempo. As forças rebeldes de oposição a Bashar al-Assad ameaçaram acabar com as tréguas negociadas com o regime se as forças do Presidente continuarem a violar o acordo.

Publicidade

Os grupos rebeldes sírios ameaçam declarar nulo o acordo de cessar-fogo que entrou em vigor na quinta-feira à noite, se as forças governamentais e aliados continuarem a violá-lo.

A Rússia e a Turquia chegaram a um acordo para um cessar-fogo na Síria na quinta-feira à meia-noite, mas nas primeiras horas da manhã de ontem, 30 de Dezembro, começaram a chegar relatos de bombardeamentos.

"As violações contínuas pelo regime, bombardeamentos e tentativas de atacar áreas sob controlo das facções revolucionárias tornará o acordo nulo e sem efeito ", indica uma declaração assinada por grupos rebeldes, divulgada pela agência Reuters.

O presidente da Comissão de Inquérito sobre a Síria, Paulo Sérgio Pinheiro, afirma que "2016 foi um desastre em relação ao respeito dos direitos humanos e ao agravamento da guerra na Síria".

Presidente da Comissão de Inquérito sobre a Síria, Paulo Sérgio Pinheiro

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vota este sábado, 31 de Dezembro, uma resolução da Rússia, que apoia o acordo de cessar-fogo na Síria, e um roteiro de paz que prevê um Governo de transição. O texto foi proposto por Moscovo que apela igualmente ao acesso "rápido, seguro e livre" da ajuda humanitária a todo o território sírio.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI